100% carnívoros: Adeptos do carnivorismo em Salvador comem bife no café da manhã

Essa semana demos uma entrevista para o jornal local Correio da Bahia sobre a dieta carnívora. No geral, conseguimos passar a mensagem que queríamos, desconstruindo alguns mitos alimentares. O jornalista Alexandre Lyrio, ouviu também a opinião do nosso médico Adolfo Duarte que apoia este estilo de vida e de dois profissionais de saúde, um cardiologista e uma nutricionista que desconhecem o tema.

Veja abaixo nossa réplica para alguns argumentos apresentados por eles nesta entrevista:

Nutricionista
"Nunca tinha ouvido falar de dietas tão radicais quanto essa. A gente escuta falar muito de pacientes com low carb, inclusive dietas cetogênicas, que incluem alguns legumes e folhosos, que não têm muito carboidrato, mas pelo menos são fontes de fibra e minerais."
Cardiologista
"...além de acarretar uma série de carências de nutrientes como vitaminas, minerais e principalmente a fibra. Quando a gente não ingere fibra a tendência é que nosso ritmo intestinal desacelere, há uma tendência de risco de câncer de colo e do aumento do colesterol."
Aqui fica evidente a preocupação com a ingestão de fibra dietética. Todavia, a obrigatoriedade na dieta é um mito e em algumas vezes até prejudicial. A fibra na dieta pode ser menos relevante do que o efeito protetor de maior gordura no revestimento intestinal. O bioma de intestino é muito importante, mas a fibra alta parece não ser a resposta.

Artigos:












Nutricionista
"Uma dieta só com proteína animal tem riscos para a saúde do indivíduo."
Cardiologista
"Dietas exclusivas em carne podem trazer prejuízos à saúde" 
Desconhecemos na literatura científica a existência de um estudo que apresente riscos para saúde de uma dieta apenas com alimentos de origem animal não processados. Na verdade existe um estudo feito por 1 ano com 2 homens confinados em um hospital comendo apenas carne.

A conclusão foi que não houve problemas de deficiência; os 2 homens permaneceram perfeitamente saudáveis; seus intestinos permaneceram normais. A ausência de carboidratos ricos em amido e açúcar de sua dieta pareceu ter apenas bons efeitos.

Eles se sentiam melhores e eram mais saudáveis com uma dieta que restringia os carboidratos. Somente quando as gorduras estavam restritas eles sofreram algum problema. Durante o experimento, sua ingestão variou de 2.000 a 3.100 calorias / dia e eles obteviveram, por opção, uma média de 80% de sua energia de gordura animal e os outros 20% de proteína.


Nutricionista
"O que levou essas pessoas a uma dieta tão restritiva, uma vez que a alimentação é um dos prazeres da vida e deve ser feita de forma equilibrada?"
Cardiologista
"Nenhum alimento contém todo tipo de nutriente necessário para uma saúde plena, ou seja, faz-se necessário uma dieta balanceada e diversificada."
Nós ressignificamos nossa relação com a comida e sem dúvida temos muito prazer em todas nossas refeições. Evidências científicas não suportam a noção de que comer uma dieta diversificada é saudável ou promove um peso adequado.

Essas declarações vêm de não menos que a Associação Americana do Coração, que recentemente divulgou um comunicado dizendo que dietas que incluem uma grande variedade de alimentos podem não ser uma boa ideia.

Essas descobertas contradizem o conselho "você deve comer uma variedade de alimentos" que tem sido uma recomendação de saúde pública há décadas. As pessoas foram incentivadas a consumir uma variedade de alimentos porque acreditava-se que essa era uma boa maneira de garantir a ingestão adequada de uma variedade de vitaminas e minerais.

Nutricionista
"A dieta hiperproteica realmente promove perda de peso."
Como mencionado no próprio artigo, não é uma "dieta da proteína" ou hiperproteica. Ela é uma dieta com mais gordura que proteína. Mas mesmo se fosse, é uma unanimidade na literatura científica - simplesmente não há NADA publicado que ligue negativamente dietas de baixo carboidrato ou de alta proteína.

Carne vermelha: quanto é demais?

Quanta proteína? A resposta do ponto de vista evolucionário.

Quanta proteína voce deve consumir?


Nutricionista
"Além disso, sem carboidrato, o corpo vai utilizar como fonte de energia a gordura dele próprio. No entanto, o organismo paga um preço por isso. É aí que entram os riscos."
Quando ficamos sem carboidrato entramos em estado de cetose, ou seja, o corpo passa a oxidar mais gordura. Parte dessa gordura é convertida, pelo fígado, em corpos cetônicos que podem ser utilizados como fonte de energia por neurônios e pelo coração, por exemplo. Cetose é algo normal e benéfico.

Na literatura médica revisada por pares nas últimas 5 décadas, estes argumentos contra a segurança e sustentabilidade da cetose nutricional foram provados falsos várias vezes, mais recentemente com os resultados de 2 anos do estudo da Indiana University Health feito pelos Drs. Stephen Phinney, Brooke Bailey e Jeff Volek.

Por que os seres humanos não precisam de carboidratos na dieta


Nutricionista
"Os primeiros sintomas das pessoas que fazem essas dietas com restrição de carboidrato são cansaço, fadiga extrema, falta de ânimo e dor de cabeça."
Provavelmente haverá um período de adaptação, especialmente se você estiver migrando para uma dieta carnívora de uma dieta padrão ocidental com alto teor de carboidratos.

Nenhum desses sintomas é perigoso no contexto do início de uma dieta carnívora, e eles devem se resolver dentro das primeiras 2-8 semanas.


Nutricionista
"Esses pacientes também passam a sofrer uma sobrecarga renal. O rim é o órgão que mais sofre com esse excesso de proteína e a longo prazo o indivíduo pode sofrer com cálculos renais e até mesmo insuficiência renal."
Cardiologista
"O excesso de proteínas pode sobrecarregar órgãos como rim e fígado devido a produção exacerbada de purina, por exemplo."
Presume-se que consumir mais proteínas "sobrecarrega" os rins, porque eles precisam lidar com mais nitrogênio. Mas não há razão para suspeitar que mudanças que ocorrem com o aumento da ingestão de proteínas (por exemplo, o aumento da ureia na urina) indicam que o mal está sendo feito para os rins.

Isso seria como sugerir que a gliconeogênese é uma "cepa" no fígado, em vez de uma adaptação fisiológica muito normal, totalmente esperada, para o jejum ou para uma ingestão muito baixa de carboidratos. Só porque algo muda, não significa que seja automaticamente ruim:

Estudo da função renal e cetose em uma dieta carnívora prolongada.

A função renal não é afetada negativamente pelo consumo de uma dieta rica em proteínas

Dieta rica em proteínas não tem efeitos adversos na densidade mineral óssea ou na função renal

Muita proteína é ruim para você. De onde veio a ideia?

Mitos da proteína, parte 2: a proteína danifica os rins?

Ingestão de proteína acima da dose diária recomendada não impacta na saúde renal

Quando a vida te der limões, peça algo com mais proteína.

Maior ingestão de proteínas não está associada à diminuição da função renal

Relatórios clínicos sobre problemas renais existem e envolvem plantas


Nutricionista
"...nenhum estudo científico publicado em revistas de grande impacto demonstrou que dietas exclusivamente com proteínas são as dietas que respondem melhor em termos de expectativa de vida ou de prevenção e tratamento de nenhum tipo de doença."
Cardiologista
"Uma dieta exclusiva de carne não tem a referência das sociedades médicas ou de nutrição."
De fato é muito pouco provável que alguma entidade de renome faça um estudo randomizado comparando uma dieta carnívora com outras opções. Difícil visualizar quem gastaria dinheiro para endossar um estilo de vida que proporcione saúde e retire ganhos da indústria alimentícia e farmacêutica.

O melhor experimento é aquele que funciona para o indivíduo e este deve ser auxiliado por um profissional de saúde atualizado. Se sua saúde melhorar é sinal de que você está no caminho correto. Hoje em dia com acesso irrestrito à informação, não precisamos esperar por anos para nos dizerem o que devemos comer. Podemos estudar e colaborar com os profissionais de saúde que cuidam de nós. Algo que vemos crescer em todo mundo sob o conceito de Choosing Wisely.


Nutricionista
"Essas dietas são extremamente difíceis de serem aderidas pela questão da monotonia. É sempre o mesmo cardápio. Isso se torna extremamente enfadonho, além de acarretar uma série de carências de nutrientes"
Não vemos essa diversidade toda em uma dieta convencional. Basicamente é uma variação de derivados de trigo, milho e soja em todas as refeições. Uma alimentação com base em animais levará meses até que você consiga passar por todos os peixes, mariscos, aves, suínos, bovinos, bubalinos, ovinos, caprinos, caças, etc.

Em relação aos nutrientes, as proteínas animais, em sua maioria, têm uma quantidade total de proteína e melhores perfis de aminoácidos. Além disso, os alimentos de origem animal são mais biodisponíveis do que as fontes vegetais.

Proteínas animais versus proteínas vegetais: como elas se comparam?

Nutricionista
"Há uma tendência de risco de câncer de colo e do aumento do colesterol. Esses modismos têm que ser vistos com muito cuidado."
Cardiologista
"Algumas carnes são também ricas em gordura saturadas, que em excesso podem elevar o colesterol ruim (LDL) que está associado a aterosclerose (depósito de gordura nas artérias) e ao infarto."
De longe o tipo mais comum de câncer estudado por sua relação com a carne vermelha são os cânceres colorretais, no entanto, foram mostradas associações muito fracas com a alta ingestão de carne vermelha em revisões sistemáticas de pesquisas observacionais (baixo nível de evidência). Em alguns casos, essa associação tem sido atribuída a aminas heterocíclicas (HCAs) e outros compostos potencialmente prejudiciais que se formam quando a carne é cozida em altas temperaturas. O ferro heme encontrado na carne vermelha também tem sido sugerido como um possível fator de risco para qualquer associação aumentada, com base nos achados em estudos observacionais e em animais. No entanto, outros estudos não conseguiram mostrar uma conexão entre a ingestão dessas substâncias e o desenvolvimento de câncer colorretal.

Alguns pesquisadores apontaram que uma relação clara entre a carne vermelha e o câncer de cólon não foi estabelecida devido a correlações fracas e diferentes descobertas entre os estudos. Eles observaram que muitos outros fatores de estilo de vida, além da ingestão de carne, poderiam de fato influenciar os resultados, como o alto consumo de açúcar e / ou álcool, o tabagismo e a diminuição da atividade física - ou mesmo outro fator dietético. Alguns desses fatores podem estar contribuindo para o recente aumento constante global do câncer colorretal entre os menores de 40 anos de idade. Em geral, os jovens de hoje não são comedores de carne pesada; na verdade, eles tendem a adotar estilos de vida vegetarianos ou veganos com mais frequência do que os idosos.

Para ilustrar quão fraco e incerto é o potencial elo entre a carne vermelha e o câncer de cólon parece ser, um grande estudo do Reino Unido que estuda as relações entre nutrição e câncer encontrou mais casos de câncer colorretal entre os vegetarianos em comparação aos comedores de carne.

Em contraste com a grande quantidade de pesquisa observacional fraca disponível, muito pouca pesquisa experimental sobre o consumo de carne vermelha e câncer de cólon existe, pelo menos em humanos. Um estudo em pessoas com pólipos de cólon pré-cancerosos descobriu que reduzir drasticamente a carne vermelha ao longo de um período de 4 anos não diminuiu o risco de recorrência de pólipos. Os resultados de estudos em animais e células sobre carnes vermelhas e câncer colorretal foram inconclusivos.

Guia para carne vermelha

Controvérsia sobre a correlação do consumo de carne vermelha e processada com o risco de câncer colorretal

Por mais de meio século, nos disseram que o colesterol é ruim. Se você olhar o interior de uma artéria entupida, você encontrará colesterol. E como a doença cardíaca é o assassino nº 1. Logo: colesterol = doença cardíaca = morte. O colesterol é um assunto complexo. Está envolvido no metabolismo energético, na produção de hormônios, na estrutura celular e, sim, nas doenças cardiovasculares. Confira abaixo algumas das pesquisas sobre o assunto e entenda por que ele tem sido difamado por décadas, por que pode ser "alto" em uma dieta carnívora e quais números você deve realmente procurar.

Colesterol e dieta carnívora

Dietas com baixo teor de carboidratos aumentam o LDL: desmascarando o mito

O LDL não causa doenças cardiovasculares

O LDL elevado tem um papel na doença de Alzheimer de início precoce?

O cérebro precisa de gordura animal

Colesterol LDL eleva-se inversamente à demência

Gordura saturada: parte de uma dieta saudável

Queijo não "obstrui" as artérias

Esteróis de plantas baixam o colesterol, mas aumentam o risco para a doença cardíaca coronariana.

As dietas à base de plantas reduzem o HDL e não reduzem o triglicérides

O consumo de alimentos de origem animal x saúde do coração


Fonte: Jornal Correio da Bahia

Comentários

  1. Maurício e Tati, parabéns pelos conhecimentos científicos que vocês disponibilizam em todas as mídias sociais levando qualidade de vida às pessoas. Sou leitora assídua deste site que tira a venda dos olhos a cada postagem com temas dos mais surpreendentes. Feliz da vida, pois estou completando um ano na dieta carnívora neste mês. Por mais bifes no desjejum de todos nós!

    Agradecimentos. Sucesso sempre!

    Sonia Salim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Soninha, você também está de parabéns. Fez grandes mudanças no seu estilo de vida e a cada dia está conquistando mais qualidade de vida e ajudando outras pessoas.

      Excluir

Postar um comentário