Estudo da função renal e cetose em uma dieta carnívora prolongada.


1. Dois homens viveram uma dieta exclusiva de carne por 1 ano e um terceiro homem por 10 dias. As quantidades relativas de carne magra e gorda ingeridas foram deixadas para a escolha instintiva dos indivíduos.

2. O teor de proteína variou de 100 a 140g, a gordura de 200 a 300g, o carboidrato, derivado inteiramente da carne, de 7 a 12g, e o valor de calorias entre 2.000 a 3.100.

3. Após 1 ano, os sujeitos estavam mentalmente alertas, fisicamente ativos e não apresentaram mudanças físicas específicas em qualquer sistema do corpo.

4. Durante a 1ª semana, os três homens perderam peso, devido a uma mudança no teor de água do corpo, ajustando-se à dieta com baixo teor de carboidratos. Posteriormente, seus pesos permaneceram praticamente constantes.

5. No teste prolongado, a pressão sanguínea de um homem permaneceu constante; a pressão sistólica do outro diminuiu 20mm e a pressão diastólica permaneceu uniforme.

6. O controle dos intestinos não foi perturbado.

7. As deficiências vitamínicas não apareceram.

8. A acidez total da urina durante a dieta de carne foi aumentada para 2 ou 3 vezes em comparação com uma dieta convencional e a acetonúria estava presente ao longo do período.

9. Os exames de urina, as determinações dos constituintes nitrogenados do sangue e os testes de função renal não revelaram evidência de danos nos rins.

10. Durante a dieta, os homens metabolizaram alimentos com relações ácido graxo-glicose entre 1,9 e 3,0 e de corpos cetônicos excretados de 0,4 a 7,2g por dia.

11. Nesses indivíduos, as observações clínicas e os estudos laboratoriais não evidenciaram que ocorreram quaisquer efeitos negativos no uso prolongado da dieta exclusiva de carne.

Fonte: http://bit.ly/2EyBpPV

Comentários