O que é a dieta carnívora?



por Amy Berger, especialista em nutrição.

O que acontece quando você remove todos os alimentos vegetais da sua dieta? Um número crescente de pessoas está fazendo exatamente isso e os resultados até agora são interessantes. Essas pessoas adotaram a dieta carnívora, também chamada de "zero carb". Ela é o oposto do veganismo. Em vez de evitar qualquer alimento de origem animal, dieters carnívoros evitam todos os alimentos vegetais.

Não apenas os carboidratos refinados e os vegetais ricos em amido que qualquer dietista lowcarb ou keto evitaria, mas também os que normalmente são considerados totalmente ok, como cogumelos, abacates, nozes, sementes e vegetais sem amido. E mesmo que os óleos puros possam ser considerados "zero carb", carnívoros estritos também evitam o azeite de oliva, o óleo de coco e outras gorduras de origem vegetal. Alguns são um pouco mais flexíveis e fazem exceções para café, chá, vinho, destilados e temperos.

Alguns incluem ovos e laticínios, mas a maioria prefere carne de animais, especialmente carne bovina gorda, porco, cordeiro, peixe gordo (salmão, cavala, sardinha, arenque) e frutos do mar. Alguns comem apenas carnes de músculo, enquanto outros incluem vísceras e caldo de ossos. Daqueles que comem exclusivamente carne, muitos optam apenas pela bovina, enquanto outros consomem carneiro, porco, aves, frutos do mar, caça selvagem e outros alimentos de origem animal, além da carne bovina.

Espere... sem vegetais? Nenhum mesmo?!

Eliminar todos os vegetais de sua dieta parece extremo, mas não é tão louco quanto parece à primeira vista. A dieta carnívora leva as coisas um passo adiante e desafia até mesmo alguns dos princípios que acreditamos serem verdadeiros - por exemplo, a fibra ser importante para um intestino saudável e função gastrintestinal adequada, ou antioxidantes em bagas ou compostos de enxofre em brócolis e alho sendo benéficos para saúde.



Por que alguém seguiria uma dieta carnívora?

Ela é a melhor dieta de eliminação. Para alguém que lida com problemas de saúde intratáveis que parecem não melhorar, não importa o que tente (incluindo uma dieta cetogênica) o carnivorismo é uma maneira direta de eliminar a grande maioria dos alérgenos alimentares mais comuns.

Protocolos de dieta de eliminação são muitas vezes complicados e intimidantes. Pode ser um equilíbrio difícil descobrir se você é sensível ao glúten, oxalatos, salicilatos ou algum outro composto em alimentos vegetais. Pode ser avassalador e confuso navegar em um supermercado ou menu de restaurante quando há várias coisas que você precisa evitar. Com a dieta carnívora, não poderia ser mais simples, porque você elimina tudo isso. É restritivo, sim, mas ninguém pode argumentar contra sua simplicidade.

Existem, claro, alergias e intolerâncias a alimentos de origem animal. Algumas pessoas são sensíveis a ovos ou laticínios, alérgicas a crustáceos, e algumas podem ser sensíveis a histaminas, que são compostos que podem estar presentes em alimentos de origem animal, particularmente aqueles que são curados ou envelhecidos, como carnes curadas e queijos envelhecidos. As histaminas também estão presentes em vegetais fermentados e em pequenas quantidades em alguns vegetais frescos.

Assim, a dieta carnívora não elimina automaticamente todos os potenciais irritantes da dieta, mas se alguém suspeitar de uma dessas sensibilidades alimentares, pode conceber a sua dieta como isenta de ovos e produtos lácteos, e baixa nos produtos de carne com histamina alta. Nesse sentido, a dieta carnívora é semelhante à keto, pois tem certos princípios orientadores, mas, dentro deles, é altamente personalizável.

Quem pode se beneficiar da dieta carnívora?

Artigos sobre a dieta contêm memes estereotipados de um homem das cavernas comendo um lombo de osso no estilo Flintstone. Mas e se essa maneira de comer não for motivo de piada? E se puder realmente ajudar a restaurar a saúde de maneira que nenhuma outra dieta pode?

Muitos ex-veganos estão recuperando a saúde indo para o carnivorismo. Isto não é surpreendente, considerando as muitas deficiências nutricionais que as dietas veganas não suplementadas frequentemente induzem. Quando essas pessoas começam a receber quantidades mais elevadas de ferro e zinco biodisponíveis, B12, vitamina A pré-formada, EPA e DHA, não é de admirar que elas se sintam muito melhores, física e mentalmente.



Mas e as pessoas que já faziem uma dieta cetogênica?

Este pode ser o grupo mais surpreendente experimentando melhorias substanciais na saúde depois de tentar a dieta carnívora. Enquanto muitas pessoas que mudam para a LCHF ou para a Keto têm melhorias quase milagrosas em uma série de condições de saúde, algumas descobrem que a cetogênica não é suficiente. Elas têm melhorias notáveis, mas persistem sintomas pequenos e outros não tão pequenos. Entre esse grupo, alguns que deram o salto da Keto para carnívora relataram a resolução completa de problemas que não foram totalmente esclarecidos com a dieta cetogênica convencional.

Para alguém que segue uma dieta cetogênica e ainda lida com sinais e sintomas incômodos, idealmente, o primeiro passo seria trabalhar com uma nutricionista experiente ou profissional de saúde que possa ajudar na solução de problemas. Talvez haja uma mudança relativamente simples que ela possa fazer e que ela simplesmente não pensou. Mas para aqueles que já seguiram esse caminho, e parece que nada faz diferença naqueles problemas remanescentes, pode valer a pena dar uma chance à dieta carnívora.

Se os depoimentos publicados no site "Meat Heals" são alguma indicação, uma dieta carnívora parece ser especialmente útil para pessoas com instabilidade de humor, distúrbios digestivos e condições dermatológicas. Todavia, deve-se notar que por enquanto, esses relatos pessoais são anedóticos e não possuem o mesmo peso científico que os ensaios clínicos rigorosos.

Dito isto, talvez o crescente número dessas histórias pessoais poderosas estimule o interesse dos pesquisadores em começar a investigar isso com mais seriedade. Isso já começou em pequena escala: várias pessoas relataram melhorias dramáticas em várias condições autoimunes, e um grupo de médicos e pesquisadores na Hungria (o grupo Paleo Medicina) está realizando testes com esse tipo de abordagem para problemas autoimunes.

Como a abordagem do carnívora funciona?

A história evolutiva e vários bilhões de pessoas saudáveis em todo o mundo nos mostram que a maioria das pessoas pode consumir uma variedade de vegetais sem efeitos adversos óbvios sobre a saúde ou a longevidade. Mas pode haver pessoas sensíveis a vários compostos em alimentos vegetais inócuos para outros.

Tudo o que está vivo quer permanecer vivo, pelo menos tempo suficiente para se reproduzir. Os animais têm maneiras de se defender contra predadores, como garras, dentes afiados, chifres e a habilidade de correr ou nadar.



Algumas plantas têm defesas físicas, como espinhos e folhas pontiagudas, mas não conseguem se arrancar e fugir. Para se protegerem, elas produzem compostos que as tornam pouco atraentes ou mesmo prejudiciais aos animais que poderiam consumi-las - uma espécie de "guerra química".

Alguns destes compostos (por exemplo, oxalato, salicilato, solanina, goitrogênicos, ácido fítico e saponinas) podem ter efeitos adversos na saúde. (O oxalato e ácido fítico se ligam a certos minerais, dificultando sua absorção e, assim, reduzindo o teor nutritivo utilizável dos alimentos que os contêm.) Compostos chamados lectinas podem desempenhar um papel na patologia das doenças autoimunes, especialmente na artrite reumatoide.

Sensibilidades alimentares não resolvidas pela Keto.

As dietas cetogênicas podem incluir alimentos ricos em alguns desses compostos, incluindo berinjela, tomate, pimentão, espinafre, acelga, óleo de coco e azeite de oliva. Alguém aderindo diligentemente a uma dieta cetogênica aparentemente perfeita pode não experimentar uma melhora em uma condição específica até que elimine os alimentos aos quais é sensível.

Para alguém que suspeita que tem um problema que uma dieta exclusivamente carnívora pode tratar de uma maneira que uma cetogênica restrita não pôde, ela pode experimentar a carnívora por algum tempo e então, sistematicamente, reintroduzir alimentos vegetais um de cada vez para ver como ela reagem a eles.

Cetose não é o objetivo.

É provável que uma dieta carnívora resulte em cetose, mas esse não é o objetivo. Devido à completa ausência de alimentos contendo carboidratos (exceto por quantidades insignificantes em proteínas animais e pequenas quantidades em alimentos lácteos com alto teor de gordura), as pessoas que seguem a carnívora provavelmente estarão em estado de cetose, mas estar em um estado cetogênico não é o objetivo.

Você pode estar se perguntando: "E toda essa proteína? Isso não tira as pessoas da cetose?" Ou "E a gliconeogênese? Toda essa proteína não vai se transformar em açúcar?"

Provavelmente não. A sensibilidade individual aos efeitos da proteína na insulina varia, mas a maioria das pessoas pode ingerir uma quantidade razoavelmente alta de proteína sem interromper a queima de gordura ou tirar alguém da ceto-adaptação. Algumas pessoas podem ver o seu nível de cetonas diminuir ligeiramente devido a uma grande ingestão de proteínas, mas como alcançar e manter a cetose não é o objetivo de uma dieta carnívora, isso não é um problema. É importante entender que um nível menor de cetonas não significa que alguém ainda não está queimando gordura. (As pessoas que precisam manter níveis terapêuticos de cetonas para ajudar a gerenciar uma condição médica, como a epilepsia, talvez precisem observar a ingestão de proteínas.)



Para algumas pessoas, os efeitos benéficos de uma dieta carnívora podem ser o resultado da cetose, mas considerando que muitas pessoas chegam à carnívora vindo da cetogênica, existem outros mecanismos pelos quais a dieta carnívora pode estar exercendo seus efeitos. O principal deles é a supracitada eliminação de alimentos vegetais que as pessoas não percebem que são sensíveis.

Além disso, dependendo dos alimentos de origem animal que alguém consome em uma dieta carnívora, é possível que sua dieta tenha uma qualidade nutricional maior do que quando eles eram Lowcarb ou Keto e quase certamente mais do que quando estavam consumindo uma dieta padrão ocidental. Em vez de se encher de cafés gordurosos e guloseimas de baixa proteína, mergulhar em bifes, costeletas de porco, ovos e frutos do mar significa que muitas pessoas podem estar consumindo mais vitaminas do complexo B, ferro, zinco, selênio e outros nutrientes do que antes . Isso pode ser um fator na recuperação da saúde das pessoas.

O quanto a fibra?

Esta é uma das primeiras perguntas que as pessoas fazem. Como você faz cocô? Certamente você tem que ter fibra em sua dieta, certo?. Se você tem seguido uma dieta lowcarb ou keto, há muito tempo você percebe que o corpo humano pode funcionar bem (talvez até melhor) sem açúcar e amido. Mas não precisamos de pelo menos alguma fibra de alimentos vegetais? De coisas como espinafre, espargos ou amêndoas? Se você não tem fibra em sua dieta, como você faz o número 2?

De acordo com o Food and Nutrition Board do Instituto de Medicina da Academia Nacional de Ciências, os carboidratos não são uma parte essencial da dieta humana: "O limite inferior de carboidratos na dieta compatível com a vida aparentemente é zero, desde que quantidades adequadas de proteína e gordura sejam consumidas." Se os carboidratos não são essenciais, isso significa que a fibra não é essencial, já que a fibra é um carboidrato.



Ao contrário da sabedoria convencional, as fibras muitas vezes pioram os problemas intestinais, incluindo o que é recomendado na maioria das vezes: constipação! Algumas pessoas com constipação se beneficiam da redução da quantidade de fibra que consomem. Afinal, a fibra é recomendada para "aumentar o volume" das fezes. Mas se o seu intestino já está cheio de material que não está se movendo em tempo hábil, por que você gostaria que houvesse mais dele? (Isso não significa que a fibra provoca constipação. Mas se você está com prisão de ventre por algum outro motivo, tornar suas fezes estagnadas ainda maiores não é muito lógico.) Outras condições relacionadas à função intestinal e motilidade colônica que podem se beneficiar de dietas com baixo teor de fibras e compostos vegetais irritantes incluem síndrome do intestino irritável e diverticulose.

Resumindo: ao contrário da crença popular, uma alta ingestão de fibra dietética não é necessária para ter evacuações saudáveis, e enquanto algumas pessoas podem se beneficiar de uma ingestão maior de fibras, outras pessoas que sofrem de certas condições intestinais podem realmente melhorar com menos fibra.

O que dizer de fitoquímicos e antioxidantes?

OK tudo bem. A fibra não é essencial e, para algumas pessoas, pode até ser prejudicial. Mas todo mundo sabe que frutas e legumes são carregados com antioxidantes que promovem a saúde, certo? Bem, "era uma vez... todo mundo sabia" que a gordura saturada obstruía suas artérias e que comer muito bacon e ovos era uma maneira infalível de causar um ataque cardíaco. Uma a uma, muitos mitos nutricionais foram eliminados durante as últimas décadas.

Ainda assim, certamente precisamos de alimentos vegetais por causa dos antioxidantes que eles fornecem. Montanhas e pilhas de levantamentos epidemiológicos mostram que o consumo de frutas e vegetais está "associado à" boa saúde e longevidade. Precisamos das antocianinas em framboesas e mirtilos, o sulforafano em brócolis, a alicilina no alho e a curcumina em açafrão. Certo?

Aqui, novamente, quando você começa a investigar um pouco mais, a ciência é menos atraente do que costuma ser relatada. Os efeitos que os extratos isolados e ultra-concentrados desses compostos têm nas células cultivadas em placas de petri podem não ser os mesmos efeitos observados em seres humanos vivos que consomem quantidades razoáveis de alimentos integrais que precisam passar pelo trato gastrointestinal antes que seus metabólitos atinjam o corrente sanguínea.

O artigo da Dr. Georgia Ede, The Antioxidant Myth, é uma leitura educacional sobre esse assunto, examinando os exemplos de suco de romã e curcumina (de açafrão) - 2 ingredientes que aparecem com frequência nos rótulos de bebidas de "detox" e produtos antioxidantes. Sua exploração das fraquezas da ciência nos mostra que manchetes sensacionalistas sobre o poder de alguns desses compostos derivados de plantas são enganosas, na melhor das hipóteses, e podem prejudicar ativamente a saúde pública quando usadas para convencer as pessoas a consumir alimentos e bebidas que são carregado com açúcar, como smoothies de frutas.



Alguns dos nossos antioxidantes mais poderosos são produzidos endogenamente - dentro de nós. E eles são proteínas, feitos de aminoácidos. A glutationa, muitas vezes chamada de "antioxidante mestre" do corpo, é um tripeptídeo feito dos aminoácidos glutamato, cisteína e glicina. Outro antioxidante chave, a superóxido dismutase (SOD), também é uma proteína. Dados os blocos de construção necessários - aminoácidos e, no caso da SOD, cobre, zinco e manganês - nossos corpos produzem esses antioxidantes; nós não precisamos de goji ou açaí para nos socorrer.

E quanto a curcumina? Ou gengibre, alecrim, resveratrol e o sulforafano em vegetais crucíferos? Consumidos em formas altamente concentradas, alguns deles podem ter um tipo de efeito farmacológico - ou seja, agem quase como medicação e podem induzir, regular ou inibir vários processos bioquímicos. Mas isso não significa que precisamos consumir grandes quantidades deles para manter uma boa saúde.

Em sua descrição das 10 características definidoras de uma dieta cetogênica bem formulada (well-formulated ketogenic diet WFKD), os pesquisadores de PhD da Virta Health não alegam que os vegetais sejam um aspecto essencial de uma dieta cetogênica. Com base nos critérios que eles listam, seria possível construir uma WFKD desprovida de alimentos vegetais. Na verdade, eles escreveram: "Devido a variações individuais na tolerância a carboidratos, a ingestão diária total de carboidratos pode variar de quase 0 a 100 g / dia" (Para ser claro, em nenhum lugar eles recomendaram ou endossaram uma dieta carnívora; apenas que os seus critérios para uma WFKD não incluem um consumo mínimo específico necessário de alimentos vegetais.)

Os requisitos dietéticos são baseados em dietas ricas em carboidratos. Este é um dos caminhos mais fascinantes que a abordagem carnívora está abrindo para a exploração. Os requisitos dietéticos (as quantidades de vitaminas e minerais essenciais que recomendamos tomar diariamente) foram estabelecidos com base em pessoas que comem dietas mistas - isto é, dietas que continham uma quantidade substancial de carboidratos. É totalmente possível que esses requisitos dependam da composição geral da dieta. A necessidade de vários nutrientes em uma dieta composta de 50% de carboidratos (ou mais!) Pode ser diferente das necessidades de nutrientes em uma dieta que contém pouco ou nenhum carboidrato. Nós não sabemos ao certo.

Uma das perguntas mais interessantes aparentemente saudáveis que os carnívoros levantam é se a composição de uma dieta influencia os requisitos de micronutrientes daquela dieta. Por exemplo, entre seus outros inúmeros empregos, o magnésio é necessário para 6 reações enzimáticas na glicólise, o primeiro passo no metabolismo da glicose. Se seu corpo está realizando menos glicólise (não nenhuma, mas menos), não é razoável especular que a exigência de magnésio pode ser menor do que para alguém que consome uma dieta rica em carboidratos. O mesmo pode ser verdade para outros nutrientes.

Nós sabemos que existem pessoas têm seguido uma dieta carnívora há anos e elas não estão sofrendo de escorbuto. Não há taxas explosivas de osteoporose ou osteopenia entre os carnívoros de longo prazo que consomem pouco ou nenhum laticínio. É possível que comer uma dieta exclusivamente carnívora mude os requisitos para certos nutrientes. Se isso já é conhecido por ser verdadeiro para a vitamina C, que está presente predominantemente em alimentos vegetais (em animais: nas ovas de peixe, carnes e vísceras como fígado, rim e pâncreas). Pode ser verdade para outros micronutrientes também.

Também é possível que a quantidade de certos nutrientes em vários alimentos de origem animal tenha sido subestimada ou mal calculada. Se assim for, as pessoas que consomem exclusivamente alimentos de origem animal podem estar recebendo mais micronutrientes do que poderíamos supor.


Advertências e preocupações sobre a dieta carnívora.

Meu conselho sobre a dieta dos carnívoros é o mesmo para qualquer outra mudança na dieta: ouça seu corpo. Preste atenção em como você se sente fisicamente, mentalmente, emocionalmente e cognitivamente. Provavelmente haverá um período de adaptação, especialmente se você estiver migrando para uma dieta carnívora de uma dieta padrão ocidental com alto teor de carboidratos.

Dados de longo prazo sobre pessoas modernas seguindo dietas exclusivamente carnívoras são escassos. Mas poderíamos ter dito o mesmo sobre dietas cetogênicas 30 anos atrás.

Se você tem uma condição médica ou está tomando medicação (para pressão alta ou diabetes tipo 2, especialmente insulina) você deve ser monitorado por um médico. Mudanças dietéticas dramáticas frequentemente exigem reduções nas doses ou interromper completamente a medicação, às vezes em apenas alguns dias da implementação. (No caso da insulina, para algumas pessoas, é necessária uma redução no primeiro dia para prevenir um evento hipoglicêmico perigoso.) Não ajuste seus medicamentos sem supervisão médica.

Este post destina-se a ser uma introdução ao conceito de dieta carnívora, não um endosso ou uma recomendação para que todos possam experimentá-lo.

Fonte: https://bit.ly/2zg0F8f

4 comentários:

  1. Parabéns pelas informações contidas aqui. Texto de fácil entendimento, sem contar o embasamento. Sempre pensei em aderir uma dieta com mais carne do que qualquer outro alimento, mas faltava conhecimento sobre. Gostei do site. "Meus antepassados não inventaram arco e flecha pra caçar brócolis."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo feedback! A ideia é compartilhar informações e experiências para que as pessoas possam tomar decisões com mais segurança.

      Excluir
  2. Parabéns pelo site, conteúdo maravilhoso e de fácil entendimento. Estou "devorando" cada tópico kkkk obrigada por compartilhar tanta informação boa!! Deus abençoe!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo feedback! Dentro do possível sempre estaremos divulgaremos informações relevantes para o nosso estilo de vida e saúde em geral.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.