Ingestão de proteína acima da dose diária recomendada não impacta na saúde renal

Uma revisão sistemática foi usada para identificar ensaios clínicos randomizados (ECR) e estudos observacionais epidemiológicos (OBSs) que examinaram a ingestão de proteína consistente com a recomendação de ingestão diária (RDA) (0,8 g / kg ou 10-15% de energia) ou uma maior ingestão de proteína (≥ 20%, mas <35% da energia, ou ≥ 10% superior à ingestão de comparação) e relatar medidas da função renal.

Estudos (n = 26) de adultos saudáveis (> 18 anos de idade) com ou sem fatores de risco de doença metabólica foram incluídos. Estudos de indivíduos com doença evidente, como rins crônicos, doença renal terminal, câncer ou transplante de órgãos, foram excluídos.

A variável mais comumente relatada foi a taxa de filtração glomerular (TFG), com 13 ECRs comparando TFGs obtidos com o consumo normal e maior de proteína. A maioria (n = 8), mas não todos (n = 5), RCTs relataram GFRs significativamente maiores em resposta ao aumento da ingestão de proteínas, e todas as taxas foram consistentes com a função renal normal em adultos saudáveis.

Aumento da ingestão de proteínas teve pouco ou nenhum efeito sobre os marcadores sanguíneos da função renal. As evidências relatadas sugerem que a ingestão de proteína acima da RDA não tem efeito adverso sobre a pressão arterial.

Estes dados indicam ainda que, pelo menos a curto prazo, a maior ingestão de proteína é consistente com a função renal normal em indivíduos saudáveis.

Fonte: https://bit.ly/2LP6xtW

Comentários