"Carne branca tão ruim quanto carne vermelha para colesterol"


por Zoë Harcombe,

O objetivo deste estudo foi examinar o efeito da carne vermelha, carne branca e fontes de proteína sem carne sobre colesterol e lipoproteínas. As ingestões de proteína foram planejadas para serem as mesmas (embora muito mais altas do que a linha de base), de modo que a proteína em si não era um fator de confusão. Como uma outra dimensão, também foi testada a ingestão de gordura "alta" vs. baixa gordura saturada. O ensaio tem um anacronismo: ABORDAGEM - isto significa PROTEÍNA ANIMAL E VEGETAL E SAÚDE CARDIOVASCULAR.

As intervenções dietéticas foram realizadas em homens e mulheres geralmente saudáveis, com idades entre 21-65 anos, com IMC na faixa de 20-35 (ou seja, de peso normal a obeso). Os participantes foram aleatoriamente designados no início para alta gordura saturada (62 pessoas) ou baixa gordura saturada (saturated fat - SFA) (51 pessoas).

Dentro dos braços SFA alto ou baixo, os participantes foram alocados para a carne vermelha, carne branca ou dietas sem carne em ordem aleatória. Cada dieta foi realizada durante 4 semanas de cada vez. Houve um período de "wash-out" (período necessário para que a concentração de um medicamento seja negligenciável, depois de suspensa a terapêutica) de 2 a 7 semanas entre cada período de dieta, de modo que os efeitos da dieta anterior não foram levados adiante. Então, este foi um teste cruzado, dentro de um estudo controlado randomizado. Isso teria sido necessário porque o número de pessoas pode ter sido muito pequeno para alcançar resultados estatisticamente significativos. Deve-se notar que o design e a execução do teste foram excelentes, o que torna ainda mais surpreendente a falha (esterol da planta), que explicaremos a seguir.

Os principais resultados de interesse foram o que chamamos de desfechos substitutos, em vez de resultados reais de saúde. Os marcadores para este estudo foram escolhidos como LDL-Colesterol, apolipoproteína B (apoB), ​​o número de partículas pequenas e médias de colesterol LDL somadas e a proporção de total para HDL-Colesterol.

As dietas

A tabela 1 do artigo relatou a composição de macronutrientes e gorduras das diferentes dietas:

(*) Nota - as gorduras individuais não somam o número total de gordura. Este é frequentemente o caso da informação nutricional; não é uma ciência exata. (MUFA = gordura monoinsaturada e PUFA = gordura poliinsaturada).

Você pode ver na tabela acima que a proteína foi substancialmente aumentada do nível basal de 14% para 23-26% para as dietas experimentais. Você também pode ver que o carboidrato variou de 39% a 46% entre dietas e gordura, variando de 31% a 35%. Todos os três macronutrientes mudaram, portanto. (A composição de macronutrientes da dieta com alto teor de SFA mudou o mínimo).

O arquivo suplementar continha menus de amostra para todas as seis variantes: carne vermelha, carne branca e sem carne para o grupo com alto teor de SFA e carne vermelha, carne branca e sem carne para o grupo com baixo teor de SFA. As principais diferenças entre as dietas com alto teor de SFA e baixo SFA foram alcançadas através da manipulação de produtos lácteos, por exemplo, as dietas de alto SFA continham queijo e leite integral ou semi-desnatado e as dietas de baixo SFA continham queijo cottage desnatado e leite desnatado. No entanto, estas não foram as únicas mudanças.

Os alimentos cárneos / sem carne dados aos participantes foram: principalmente carne bovina, com um pouco de carne de porco, para os comedores de carne vermelha; frango e peru para comedores de carne branca; e leguminosas, nozes, grãos e produtos de soja isentos de isoflavonas para os que não comem carne. A porção livre de isoflavona significa que produtos de soja sem fitoestrogênios (estrógenos vegetais) foram escolhidos. A falha fundamental neste estudo é que os alimentos sem carne contêm esteróis vegetais (colesterol vegetal). Sabe-se que os esteróis vegetais reduzem os níveis de colesterol no sangue (embora a redução do colesterol humano com esteróis vegetais torne os resultados reais - doença cardíaca e câncer - piores).

A inclusão de alimentos que contêm esteróis vegetais / colesterol mais baixo não se limitou às dietas de carne vermelha / branca versus a dieta sem carne. Este confundidor foi replicado nas dietas de comparação SFA alta vs baixa também. O Apêndice 1 contém os menus de amostra incluídos no material suplementar para o estudo. Por exemplo, o cereal matinal com alto teor de SFA / carne vermelha era All Bran. O baixo teor de SFA / cereal de carne vermelha foi aveia, que é conhecido por ter um efeito significativo de redução do colesterol. O grão para o jantar rico em SFA / carne vermelha foi arroz integral. O grão para o jantar com baixo teor de SFA / carne vermelha era de cevada, que é conhecido por ter um efeito significativo na redução do colesterol.

A alta e baixa dieta SFA teve outro viés embutido em que a troca foi alcançada pelo aumento da gordura monoinsaturada para substituir a SFA. Nozes e óleos estavam entre os alimentos usados ​​para aumentar o teor de gordura monoinsaturada das dietas de baixa SFA e ambos contêm esteróis de plantas e, portanto, ambos os níveis mais baixos de colesterol.

As duas falhas críticas com este ensaio, portanto, são:

1) Que múltiplos de coisas mudaram: macronutrientes; micro nutriente; todas as três gorduras; vitaminas; minerais; e todos os alimentos atribuídos a cada dieta. Esse é um problema com qualquer RCT nutricional.

2) Que os alimentos que baixam os níveis de colesterol no sangue foram incluídos e isso fundamentalmente prejudicou quaisquer resultados. Isso é um problema com este RCT particularmente.

Os resultados

Pouco antes de chegarmos aos resultados, muitas vezes é útil compartilhar não-resultados. Não houve efeitos significativos da fonte de proteína na dieta sobre a pressão arterial, glicemia de jejum ou atividade endotelial. Não houve efeitos significativos nos triglicerídeos. Houve uma queda significativa no HDL-C, se você se preocupa com essa medida.

Tempo para outra tabela - desta vez para extrair as medidas de resultado de colesterol e lipoproteína:


(*) Nota - O colesterol total não foi um desfecho primário de interesse, mas é digno de nota, no entanto.

(**) Nota - Dos quatro desfechos primários de interesse - LDL-Colesterol, apolipoproteína B, o número de partículas pequenas e médias de LDL-Colesterol somadas, e a razão do total para HDL-Colesterol - as duas únicas que alcançaram qualquer diferença (estatisticamente) significativa foi LDL-Colesterol e apoB (destacada em cinza). O seguinte é crítico para observar:

LDL-Colesterol e apoB foram (estatisticamente) significativamente mais elevados no grupo de carne vermelha em comparação com o grupo sem carne e no grupo de carne branca em comparação com o grupo sem carne. Você pode ver na Tabela 2 que o LDL-Colesterol e a apoB foram menores em todas as seis dietas quando comparadas à linha de base. Quase dobrando o consumo de proteína e dando às pessoas carne vermelha ou branca duas vezes ao dia, não aumentou o colesterol total ou LDL ou apoB. Todos estes caíram em todas as dietas.

A manchete deveria, portanto, ter sido:
"O estudo mostra que quase dobrar o consumo de proteína e ter carne vermelha ou branca duas vezes ao dia não faz diferença para o colesterol".
Resumo

* Um estudo publicado em 4 de junho no American Journal of Clinical Nutrition gerou manchetes de mídia dizendo que "a carne branca é tão ruim quanto a carne vermelha para o colesterol".

* O estudo foi um ensaio controlado randomizado, que primeiro alocou aleatoriamente 62 pessoas para um grupo com alto teor de gordura saturada e 51 pessoas para um grupo com baixo teor de gordura saturada. Dentro de cada grupo, as pessoas realizaram uma dieta de carne vermelha por 4 semanas e uma dieta de carne branca por 4 semanas e uma dieta sem carne por 4 semanas. Todos os participantes tentaram todas as três dietas no que é conhecido como um teste cruzado. Este é um bom design para um pequeno estudo.

* O estudo concluiu: "Os resultados estão em consonância com as recomendações que promovem dietas com uma alta proporção de alimentos à base de plantas, mas, com base nos efeitos lipídicos e lipoproteicos, não fornecem evidências para a escolha de carne branca sobre carne vermelha ." "Quando se trata de colesterol, o frango é tão ruim quanto a carne vermelha?"

* A falha fundamental de todas as intervenções nutricionais é que é impossível mudar uma coisa sozinha. Neste estudo, todos os macronutrientes (carboidrato, gordura e proteína) foram alterados; todos os micronutrientes (vitaminas e minerais) teriam mudado; e todas as gorduras (saturadas, monoinsaturadas e poliinsaturadas) mudaram (a gordura poliinsaturada mudou pouco).

* Houve uma falha ainda mais fundamental com este estudo, em que o resultado de interesse foi colesterol e fontes de proteína sem carne contêm esteróis de plantas, que são conhecidos por reduzir o colesterol (embora isso piore a doença cardíaca / câncer). Fontes de proteína de carne não contêm esteróis de plantas, então este estudo sempre criaria uma diferença entre carne (vermelha ou branca) e sem carne.

* O resultado mais interessante do estudo foi que todas as dietas de intervenção reduziram o colesterol (colesterol total e LDL-colesterol e colesterol-HDL). Todas as intervenções quase dobraram a ingestão de proteína de 14% no início para 23-26%. Seja no grupo "alta" ou com pouca gordura saturada, os participantes consumiram carne vermelha duas vezes ao dia, ou carne branca duas vezes ao dia, ou sem carne duas vezes ao dia. Total, LDL e HDL-colesterol caiu em todas as seis variantes da dieta. (As quedas não foram estatisticamente significativas para carne vermelha ou branca).

* Por causa dos esteróis de plantas, as medidas de colesterol nas dietas sem carne caíram mais do que nas dietas de carne vermelha ou branca. O papel, assim, julgou a carne vermelha e branca em relação à sem carne . Se o jornal tivesse relatado os resultados reais da carne vermelha e branca, teria havido uma manchete bem diferente.

* A manchete deveria ter sido: "O estudo mostra que quase dobrar o consumo de proteína e consumir carne vermelha ou branca duas vezes por dia não faz diferença para o colesterol".

Fonte: http://bit.ly/2RaWov6

Comentários