Por que os pesquisadores não conseguem mostrar que a gordura saturada realmente leva a doenças cardíacas?


Por Ingrid Spilde,

Simplificando, este é o cerne da discordância de anos sobre gordura saturada e doenças cardíacas:

Os dados não apontam na mesma direção.

Por outro lado, um número impressionante de estudos mostra que as gorduras saturadas, como a manteiga, a gordura do bacon e a gordura do coco, aumentam os níveis de colesterol LDL no sangue.

Também está bem documentado que o colesterol alto está relacionado a doenças cardíacas. Pessoas que contraem doenças cardíacas têm maior probabilidade de apresentar colesterol LDL alto, em comparação com aquelas que não desenvolvem doenças cardíacas.

Os pesquisadores chegaram a uma conclusão lógica: muita gordura saturada na dieta produz mais colesterol, o que, por sua vez, aumenta o risco de doenças cardíacas.

Mas isso foi surpreendentemente difícil de provar. Quando os pesquisadores procuram ligações diretas entre a gordura saturada e as doenças cardíacas, geralmente não encontram muita coisa.

Mesmo em testes de longo prazo, onde grupos de participantes comem alimentos com diferentes quantidades de gordura saturada, nenhuma diferença surge entre os grupos no número de pessoas que adoecem ou morrem de doenças cardíacas.

Então, qual é a história? Estamos ficando doentes por causa da gordura saturada ou não?

As peças do quebra-cabeça não se encaixam.

Marit Kolby Zinöcker é professora assistente na Bjørknes University College em Oslo e acha que sabe por quê.


Marit Kolby Zinöcker é professora universitária na Bjørknes University College. (Foto: Thomas Xavier Floyd / Sjo e Floyd)

Mistério do colesterol

Mas, para Zinöcker, a história começou com outro mistério: uma pergunta feita repetidamente pelos alunos de nutrição que ela ensina e que ela não conseguia responder.

Essa pergunta era: “Se você comer mais gordura saturada, a quantidade de colesterol LDL no sangue aumenta. Mas sabemos que o novo colesterol não é absorvido pelos alimentos. Nem vem de um aumento na produção de colesterol no corpo. Então, de onde no mundo está vindo?”

Da mesma forma, quando você ingere mais gordura poliinsaturada, a quantidade de colesterol LDL no sangue diminui. Mas para onde vai?

“Eu não conseguia explicar. Cada vez que a pergunta surgia, eu tentava encontrar artigos de pesquisa sobre o assunto, mas não conseguia encontrar respostas”, diz Zinöcker.

No entanto, ela se recusou a desistir.

Em busca de algo que pudesse explicar o problema, ela se aprofundou na biologia. O que exatamente está acontecendo com o colesterol em nossos corpos?

As respostas que encontrou a lançaram em um caminho totalmente novo para compreender o mistério do colesterol.

Colesterol nas paredes celulares

“A maioria das pessoas pensa no colesterol como algo que é encontrado principalmente no sangue”, diz Zinöcker.

“Mas apenas uma pequena parte dele é encontrada lá. A maior parte do colesterol é distribuída por todas as nossas células.”

O colesterol é uma parte indispensável da membrana celular - uma espécie de parede flexível ao longo da superfície das células.


Esta ilustração é um modelo de uma célula humana. No interior existem várias estruturas e organelas. Uma membrana forte e flexível separa o conteúdo da célula do ambiente externo. (Ilustração: SciePro / Shutterstock / NTB)

Essa membrana protege o conteúdo celular interno, mas não é completamente impermeável. A célula precisa de substâncias como nutrientes, blocos de construção e substâncias de sinalização do resto do corpo. Ele também precisa se livrar do lixo.

A membrana celular permite que as substâncias entrem e saiam de uma forma muito controlada. Na verdade, uma membrana celular que funcione bem é extremamente importante para o funcionamento da célula.

A pesquisa mostrou que o colesterol é um componente essencial dessa membrana. Entre 30 e 50 por cento da membrana celular consiste em colesterol, onde tem uma função muito importante.

Ajusta a rigidez da membrana

"O colesterol ajusta o quão fluida é a membrana", diz Zinöcker.

A membrana celular pode se tornar mais ou menos rígida, dependendo de quão fria ela é e dos tipos de gorduras em que ela consiste. Este último depende do que comemos.

Quando comemos mais gordura poliinsaturada, as células incorporam mais gordura poliinsaturada na membrana celular, tornando-a mais fluida. Para compensar, a célula também incorpora mais colesterol na membrana. O colesterol tem um efeito estabilizador na membrana mole.

Se comermos mais gordura saturada, acontece o contrário. A membrana celular fica mais rígida e não precisa mais de tanto colesterol.

Compreender este mecanismo básico é o que colocou Zinöcker em uma resposta às perguntas dos alunos e uma forma completamente nova de compreender o metabolismo do colesterol no corpo.

Mecanismo regulador, não é sinal de doença

Zinöcker pensou: “Quando comemos mais gordura poliinsaturada, as células coletam o colesterol do sangue e o incorporam às membranas celulares para garantir que fiquem rígidas o suficiente. É para onde o colesterol vai quando medimos menos colesterol no sangue!”

E o oposto também é verdadeiro - quando comemos mais gordura saturada, as membranas celulares ficam mais rígidas. As células têm menos necessidade de trazer o colesterol estabilizador e, em vez disso, enviá-lo para a corrente sanguínea. As células também param de absorver o colesterol, elevando assim o nível de colesterol no sangue.


A imagem mostra um corte transversal da membrana celular. As esferas amarelas com caudas brancas são moléculas de gordura, enquanto as formas vermelhas são moléculas de colesterol. O colesterol estabiliza a parede da membrana celular para que mantenha a rigidez ideal. (Ilustração: J. Marini / Shutterstock / NTB)

Na segunda instância, Zinöcker chegou a outro entendimento:

O aumento do nível de colesterol no sangue como resultado de mais gordura saturada na dieta pode não ser um sinal de doença. Pelo contrário.

"O aumento do nível de colesterol no sangue é provavelmente um sinal de que os mecanismos reguladores do corpo estão funcionando como deveriam", disse Zinöcker.

Talvez o colesterol no sangue de pessoas saudáveis ​​seja simplesmente uma espécie de estoque de emergência, que o corpo tem à sua disposição quando a fluidez das membranas celulares precisa ser ajustada.

“A rigidez celular é provavelmente tão importante que o corpo não se arrisca a cobrir a necessidade exclusivamente com a comida”, diz Zinöcker.

Dois quebra-cabeças

Mas espere.

O fluxo de colesterol para dentro e para fora das membranas pode explicar como a gordura saturada leva a um aumento do colesterol no sangue, sem que isso necessariamente cause doenças cardíacas.

Mas e quanto à ligação entre colesterol alto e doenças cardíacas? Há poucas dúvidas de que pessoas com colesterol alto apresentam risco aumentado de doenças.

Essa peça do quebra-cabeça ainda não se encaixa.

Zinöcker acha que também tem uma resposta para isso.

“A peça pertence a outro quebra-cabeça”, diz ela.

“Sempre acreditamos que tudo fazia parte da mesma imagem. Mas acho que há duas fotos. Uma é a imagem de um corpo saudável e a outra é a de um corpo com falha nos mecanismos reguladores.

Inflamação crônica

A maioria das pessoas com risco aumentado de doenças cardíacas tem muito mais do que apenas seus níveis de colesterol desequilibrados. A pressão arterial e o açúcar no sangue estão muito altos, o fígado está muito gordo e a insulina não está funcionando corretamente.

E, criticamente, as medições mostram sinais de inflamação crônica em pessoas com risco de doença cardíaca.

Vários estudos sugerem que a inflamação crônica no corpo pode interromper muitos mecanismos reguladores em nossas células.

Zinöcker acredita que a inflamação crônica pode ser a raiz dos problemas.

A inflamação poderia estar levando a distúrbios na regulação do colesterol e em muitos outros processos que, juntos, aumentam o risco de doenças cardíacas?

Nesse cenário, é concebível que o colesterol alto em pessoas com inflamação crônica seja apenas um sinal dos distúrbios regulatórios e não uma causa de doença cardíaca per se.

Ou talvez desempenhe um papel negativo, o que não aconteceria em um corpo saudável.

Zinöcker acredita que os níveis de colesterol em um corpo saudável significam algo diferente dos níveis de colesterol em um corpo doente. Quando misturamos os resultados de pessoas saudáveis ​​e doentes, as medições não fazem sentido.

“Para entender as conexões, as duas imagens devem ser mantidas separadas”, diz ela.

Conhecimento antigo, novo modelo

As peças do quebra-cabeça começaram a se encaixar para Zinöcker. Ela havia construído a base de um novo modelo do metabolismo do colesterol do corpo.

“Nada disso é um conhecimento novo. É o conhecimento existente reunido de uma nova maneira”, diz ela.

Mas será que a ideia realmente está correta? O professor poderia realmente ter encontrado uma conexão que nenhum outro pesquisador havia descoberto?

Zinöcker precisava investigar isso.

Ela teve a oportunidade de apresentar seu modelo em uma reunião na Universidade de Oslo, com pesquisadores da maior comunidade profissional de pesquisa em nutrição do país.

Água retida

Zinöcker não estava se sentindo tão presunçosa.

“Eu estava pensando, deve haver algo que eu não entendi e que todos saibam, e isso torna o modelo defeituoso”, diz ela.

Mas, surpreendentemente, ela não encontrou tais objeções. Os profissionais presentes na reunião não encontraram impossibilidades óbvias no modelo.

Uma das pesquisadoras, Karianne Svendsen, estava interessada em explorar mais a ideia. Depois de alguns meses, Zinöcker, Svendsen e o pesquisador Simon Dankel, da Universidade de Bergen, começaram a colaborar para descrever o novo modelo.

Agora, eles apresentaram o modelo em um artigo recente no American Journal of Clinical Nutrition.

O modelo HADL

Os pesquisadores o chamam de modelo HADL.

Eles acreditam que essa maneira de entender o metabolismo do colesterol no corpo também pode explicar uma característica fascinante da maioria dos estudos sobre o colesterol.

Um estudo norueguês de 2018 ilustra o fenômeno. Aqui, um grupo de estudantes saudáveis ​​fez uma dieta rica em gordura saturada por três semanas.

Como era de se esperar, o nível de colesterol no sangue nesse grupo aumentou em comparação com os alunos em uma dieta regular. Mas as diferenças individuais eram impressionantes, de um aumento quase imperceptível em alguns a mais do que a duplicação do colesterol em outros.

Por que tanta diferença?

O modelo explica grandes diferenças

De acordo com o novo modelo, essa variação individual pode ser explicada com base no que os participantes comeram antes da dieta de três semanas.

Se eles consumissem muita gordura poliinsaturada e de repente mudassem para muita gordura saturada, as membranas celulares se tornariam muito mais rígidas e a necessidade de colesterol muito menor. As membranas dessa pessoa secretariam muito colesterol na corrente sanguínea.

Por outro lado, as membranas celulares de um participante que comia muita gordura saturada anteriormente já teriam se livrado de muito colesterol, resultando em apenas um ligeiro aumento do colesterol.

Se o modelo estiver correto, talvez devêssemos parar de usar termos simplificados como "colesterol HDL bom" e "colesterol LDL ruim". (Foto: mypokcik / Shutterstock / NTB)

Portanto, muitas peças podem se encaixar se a ideia dos pesquisadores estiver correta.

Os pesquisadores escreveram em seu artigo que, se confirmado, o modelo poderia abrir outra abordagem para aconselhamento dietético para prevenir doenças cardiovasculares, e talvez também levar à queda do uso dos termos simplificados "colesterol HDL bom" e "colesterol LDL ruim".

A questão, claro, é se o modelo será confirmado.

Atualmente baseado na teoria

Kjetil Retterstøl, professor da Universidade de Oslo, acredita que ainda há muito a ser feito antes de sabermos se a ideia tem mérito.

“O ponto forte do modelo é que o fenômeno não pode ser descaradamente descartado”, disse o professor ao forskning.no por e-mail.

O ponto fraco, porém, é que o modelo atualmente é baseado na teoria, segundo Retterstøl. Nenhum estudo testou ainda se o novo modelo reflete com precisão o que acontece com o colesterol.

Outra fraqueza é a questão do que acontece com o tempo. Se você continuar a comer gordura saturada, as membranas celulares já secretaram as moléculas de colesterol. O que então? Por que o LDL permanece alto a menos que você esteja fazendo dieta e perdendo peso?

Precisa de mais pesquisas

Retterstøl acha que o modelo é empolgante se estiver correto, mas que ainda não sabemos se a ideia é verdadeira ou o que pode significar na prática. Para começar, experimentos com animais precisam ser conduzidos para determinar se os princípios do modelo estão corretos.

Referência:


Fonte: https://bit.ly/3x41q02

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.