Os incêndios na Amazônia são uma questão de política, não de pecuária.


Por Lauren Manning,

As manchetes estão repletas de alegações de que o consumo mundial de carne é o responsável pelos incêndios na Amazônia, mas uma análise mais aprofundada dos dados da NASA sobre o assunto mostra que os incêndios não são fora do comum e, mais importante, que os agricultores não estão visando florestas tropicais antigas, mas terras agrícolas existentes.

A NASA divulgou imagens mostrando incêndios na região por volta de 21 de agosto e observou que "não é incomum ver incêndios no Brasil nesta época do ano devido a altas temperaturas e baixa umidade". A agência continuou afirmando que "o tempo dirá se será um recorde este ano ou apenas ficará dentro dos limites normais." 

Confundindo ainda mais a questão, algumas pessoas estão compartilhando fotografias da Amazônia há mais de 30 anos, sob o pretexto de retratar os acontecimentos atuais. O presidente francês Emmanuel Macron twittou uma foto viral enganosa na semana passada, que foi retuitada mais de 40.000 vezes. A foto foi tirada em 2003. E enquanto muitas das fotos incluíam alguma referência à Amazônia como "os pulmões da Terra", um notável especialista em florestas tropicais e fundador do Instituto de Inovação da Terra, Dan Nepstad, apontou que toda a vida vegetal contribui à produção de oxigênio - incluindo pastagens de gado.

O desmatamento na Amazônia é um tópico prolongado há vários anos. Grande parte da tensão por trás do desmatamento na Amazônia e da produção de gado provém de políticas inconsistentes e aplicação de retalhos de proteções existentes no nível do governo.

A atual guerra comercial dos EUA com a China e outros países também aumentou a demanda do Brasil por exportações, já que a China começou a comprar soja do Brasil em vez dos EUA. A China já é o maior mercado de exportação de carne bovina do Brasil, com cerca de 22% de suas exportações no valor de US $ 47 bilhões fluindo do Brasil para a China a cada ano, dominado pela soja.

Produção animal ajuda a preservar ecossistemas nativos na Amazônia


Embora o Cerrado seja considerado uma área de baixa produção agrícola, a chegada de insumos como fertilizantes e culturas geneticamente modificadas como a soja abriu a região à produção em escala de commodities. Cana-de-açúcar, milho e algodão também são culturas comuns na região. Aproximadamente três quartos das culturas produzidas são usadas para alimentação animal, destacando uma questão política adicional relativa à dependência generalizada de culturas para produzir carne em vez de carne alimentada com capim produzida usando práticas de pastoreio gerenciadas, que sequestram o carbono e apoiam a saúde do ecossistema. (Não é a vaca, é o como.)

Para as pessoas no Cerrado, no entanto, a agricultura é uma economia primária e modo de vida. Encontrar maneiras de reduzir o desmatamento prejudicial, ao mesmo tempo em que garante que os moradores locais ainda tenham uma maneira de se sustentar, é um processo complexo. Aproximadamente 35% a 55% do rebanho bovino brasileiro vive no Cerrado e cerca de 60 milhões de hectares foram dedicados ao uso de pastagens a partir de 2016.

Além disso, o gado é adequado para pastar muitas partes do Cerrado, particularmente quando se trata da capacidade do gado de pastar vegetação nativa e fornecer renda aos proprietários de terras. O gerenciamento cuidadoso do gado pastando na região pode realmente ajudar a proteger e manter a vegetação e o habitat nativos da região.

Algumas empresas, como a Inga Tree, estão trabalhando em sistemas integrados de produção agrícola que permitem que os moradores da região continuem o cultivo e o uso de culturas agrícolas usando práticas de agricultura regenerativa que melhoram a fertilidade do solo e mantêm o habitat da vida selvagem. A Sustainable Dish entrevistou Mike Hands, fundador da Inga Tree, em um podcast recente sobre seus esforços para espalhar uma prática agrícola conhecida como alley cropping (cultivo em aleias) na região, que ele desenvolveu após anos de pesquisas científicas sobre agricultura de corte e queima.

Com a atenção do consumidor na montagem de produtos alimentícios produzidos de maneira sustentável, várias partes interessadas tomaram medidas e lançaram iniciativas corporativas de sustentabilidade para reduzir sua pegada ambiental na Amazônia. Recentemente, a Cargill prometeu US $ 30 milhões para ajudar a mitigar o desmatamento na região, por exemplo, e vários outros principais interessados ​​alinharam seus interesses para lidar com o desmatamento, incluindo uma coalizão de investidores e empresas de alimentos que assinaram uma Declaração de Apoio ao "Manifesto do Cerrado", que envia um sinal claro ao mercado de que produtos alimentícios com desmatamento zero são uma prioridade.

Atualmente, os EUA não aceitam importações de carne bovina brasileira

O Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, mas os EUA proíbem a importação de produtos brasileiros de carne bovina desde junho de 2017, quando surgiram problemas de segurança alimentar. A grande maioria da carne vendida nos Estados Unidos vem dos EUA, de acordo com o USDA, com apenas 8% a 20% provenientes de fontes estrangeiras como Canadá e México. Existem apenas 12 países que podem fornecer aos EUA produtos de carne crua.

Lauren Manning, Esq., LL.M., é advogada e professora de direito agrícola na Faculdade de Direito da Universidade de Arkansas, onde ministra cursos de bem-estar animal, planejamento de sucessão agrícola, lei de segurança alimentar e cooperativas agrícolas. Como jornalista, ela cobre o espaço de alimentos e agricultura há quatro anos, com ênfase em tecnologia agrícola e investimento em capital de risco, alterando as preferências do consumidor, a produção pecuária e a agricultura regenerativa. Como agricultora de primeira geração, Lauren cria e comercializa carne bovina, ovina e caprina, alimentada com capim e pasto, no noroeste do Arkansas.

Fonte: http://bit.ly/30Lz9M9

Comentários