Um olhar mais atento no Glucagon


"Ao contrário da crença popular, a insulina não é necessária para a captação e utilização de glicose no homem". (Manninen, 2004)

Em um mundo onde aprendemos que a principal função da insulina é facilitar a captação celular de glicose, a afirmação acima é nada menos que revolucionária. De fato, porém, como o autor continua a dizer:

"Ao contrário da crença popular apoiada pelos principais livros didáticos de fisiologia e bioquímica, há população suficiente de transportadores de glicose em todas as membranas celulares em todos os momentos para garantir a captação de glicose suficiente para satisfazer a respiração da célula, mesmo na ausência de insulina. A insulina pode e aumenta o número desses transportadores em algumas células, mas a absorção de glicose nunca é verdadeiramente dependente de insulina".

Isso pode chocar muitas pessoas, especialmente aquelas que vivem com diabetes tipo 1 ou tipo 2. Mas é verdade: a maioria dos transportadores de glicose não precisa de insulina para levar glicose às células. GLUT4, o mais abundante transportador de glicose no tecido adiposo, músculos esqueléticos e cardíacos, é sensível à insulina e sua translocação para a membrana celular é estimulada pela insulina, mas também pode participar da captação de glicose não mediada por insulina, como durante atividade física. (De fato, o exercício é o estímulo mais potente para aumentar a expressão de GLUT4 no músculo esquelético.) Então, por que a maioria das pessoas - incluindo muitos médicos e nutricionistas - pensa na insulina principalmente como um "hormônio do açúcar no sangue"?

Não há dúvida de que a insulina desempenha um papel primordial na regulação da glicemia, mas não pela razão que geralmente pensamos. Como mencionado, a captação de glicose no corpo nunca é verdadeiramente dependente da insulina. O papel principal da insulina na gluco-regulação pode ser neutralizar os efeitos do glucagon. E com cerca de 88% das pessoas pesquisadas no ano passado preenchendo os critérios de "metabolicamente pouco saudável" e a maior parte disso advém de síndrome metabólica ou insulina cronicamente alta, há uma boa razão para que a insulina e a resistência à insulina consigam a maior parte das manchetes de saúde. Mas e quanto ao glucagon, um hormônio contra-regulador da insulina?

O glucagon é secretado pelas células alfa do pâncreas e tem efeitos opostos aos da insulina: enquanto a insulina inibe a lipólise e a cetogênese (a degradação das gorduras e a geração de cetonas, respectivamente), o glucagon estimula essas células. A insulina é anticatabólica; o glucagon é catabólico. Podemos ver isso no modo como os indivíduos com diabetes tipo 1 não tratado (DM1) definham: esse é o efeito da ação do glucagon quando a insulina está ausente ou insuficiente para mantê-lo sob controle. Como o Dr. Roger Unger, um especialista neste campo, escreveu: "as ações catabólicas até então consideradas as consequências diretas da falta de insulina são mediadas por um excesso relativo ou absoluto de glucagon à insulina".

Enquanto a insulina reduz a glicose no sangue (GS) no estado pós-prandial ou alimentado, o glucagon aumenta a GS no estado de jejum, quer isso signifique durante um longo período de jejum ou simplesmente durante a noite ou por longos períodos entre refeições quando o alimento não foi consumido por várias horas. Isso é feito estimulando a glicogenólise e a gliconeogênese no fígado. Também pode catabolizar proteínas musculares para gerar glicose a partir de aminoácidos, o que explica o desperdício observado em DM1 não tratado.

A hiperglicemia - particularmente no caso da DM1, mas também possivelmente em indivíduos com resistência à insulina - não resulta necessariamente da incapacidade das células de absorver glicose, mas da produção hepática descontrolada e da liberação de glicose: "O uso de infusões de glicose traçadora demonstrou não só que a hiperglicemia em face da deficiência de insulina é o resultado da produção excessiva de glicose pelo fígado, mas também que a infusão de insulina reduz a glicemia ao inibir a produção hepática de glicose."

Um artigo publicado após o citado acima corrobora:

"Quando a insulina é administrada a pessoas com diabetes em jejum, as concentrações de glicose no sangue diminuem. É geralmente assumido que isso ocorre porque a insulina aumenta a captação de glicose nos tecidos. No entanto, este não é o caso e é apenas mais uma lenda metabólica decorrente de dados de ratos in vitro. Tem sido demonstrado que a insulina em concentrações que estão dentro da faixa fisiológica normal reduz a glicose no sangue através da inibição da produção de glicose hepática." (Manninen, 2004)

A hiperglicemia, ou até mesmo um aumento normal na glicose como ocorre após uma refeição, normalmente provoca um aumento na insulina, a fim de reduzir a GS, e a presença de insulina suprime a secreção de glucagon. Quando a insulina está ausente, no entanto, como no DM1, ou quando as células alfa pancreáticas não respondem adequadamente à insulina (como pode ocorrer na DM2), a elevação da GS estimula a secreção de glucagon: "Isso adiciona uma fonte endógena de glicose à glicose exógena da refeição."Não é de se estranhar que a GS seja tão alta quando usada em DM1 ou DM2 - até mais do que seria esperado apenas do conteúdo de carboidrato de uma refeição.

Além do controle da GS, estimulando a lipólise e cetogênese, e inibindo a síntese de ácidos graxos, o glucagon atravessa a barreira hematoencefálica e parece regular o apetite e a saciedade através de efeitos no sistema nervoso central. (Evidências indicam que uma pequena quantidade de síntese de glucagon ocorre também dentro do tronco cerebral, e algumas também são produzidas nas células L eneteroendócrinas da mucosa intestinal.) Também foi demonstrado que aumenta a taxa metabólica através da ativação do tecido adiposo marrom e induzindo um efeito termogênico. Por estas razões, a ação do glucagon é um alvo atraente para drogas e outras terapias destinadas à perda de gordura. Algumas sobreposições entre a ação do glucagon e do GLP-1 podem explicar a modesta perda de peso observada em pessoas com ou sem DM2 tratadas com drogas agonistas do receptor de GLP-1.

Indivíduos em dieta lowcarb ou cetogênica às vezes temem os efeitos do aumento de glicose do glucagon. No entanto, a gliconeogênese (GNG) no contexto de uma dieta baixa em carboidratos ou cetogênica é diferente daquela que ocorre em uma dieta rica em carboidratos ou, mais especificamente, quando o glicogênio hepático está cheio: "A propriedade hiperglicêmica do glucagon é reforçada quando os níveis de glicogênio hepático são altos e diminuídos quando os níveis de glicogênio são baixos, como em animais em jejum, animais diabéticos em cetose ou pacientes com cirrose hepática."

Evidentemente, não é preciso jejuar, nem ter diabetes ou cirrose para que o glicogênio hepático seja baixo. Isso ocorre naturalmente em dietas baixas em carboidratos ou cetogênicas, e como o corpo e o cérebro sempre precisam de glicose, mesmo com uma dieta cetogênica estrita, os keto dieters podem agradecer ao glucagon por mantê-los vivos e ajudar seu cérebro a funcionar. No contexto de uma dieta lowcarb ou keto, a GNG normalmente não causa hiperglicemia; apenas mantém a GS dentro de uma faixa saudável, impedindo que caia a níveis perigosamente baixos. As pessoas que seguem dietas de baixo carboidrato para perda de gordura ou controle da glicose no sangue não precisam temer a GNG induzido pelo glucagon, causando uma GS cronicamente elevada e as sequelas metabólicas indesejáveis ​​que resultariam. O contexto da glicose aparecendo no sangue é totalmente diferente de uma dieta rica em carboidratos com glicogênio hepático totalmente repleto. (Ben Bikman, PhD, um pesquisador focado em insulina e bem conhecido na comunidade cetogênica, deu uma palestra informativa sobre o assunto em 2018: Insulina vs. Glucagon: A relevância da proteína na dieta.)

O glucagon é um hormônio fascinante, com influências poderosas em várias áreas de interesse, incluindo diabetes tipo 1 e 2, perda de gordura, regulação do apetite e muito mais. Os seguintes artigos e vídeos são recomendados para aprender mais sobre o glucagon:
Roger Unger: Prêmio Rolf Luft 2014, Palestra do Prêmio. Uma nova biologia para diabetes.

Fonte: http://bit.ly/2QfpDgd

Comentários