Os produtos vegetais ingeridos pelas grávidas são decompostos em substâncias químicas que podem atravessar a barreira placentária e atingir o feto.


Até produtos naturais podem ser prejudiciais para o feto.

Os produtos vegetais ingeridos pelas mulheres grávidas através de sua dieta são decompostos pela microbiota intestinal em substâncias químicas, algumas das quais podem atravessar a barreira placentária e atingir o feto. Essas substâncias estranhas podem prejudicar o feto, mesmo que sejam de "origem natural". Pesquisadores do Departamento de Pesquisa BioMédica (DBMR) da Universidade de Berna e Inselspital, Hospital Universitário de Berna, advertem, portanto, contra a subestimação dos efeitos de tais substâncias.

Todos os mamíferos, incluindo humanos, são colonizados por bilhões de micróbios. Estes vivem principalmente em nossos intestinos, mas também podem ser encontrados no trato respiratório, na pele e no trato urogenital. No grupo de pesquisa gastroenterológica do Departamento de Pesquisa BioMédica (DBMR) da Universidade de Berna e no Hospital Universitário de Berna, Inselspital, Stephanie Ganal-Vonarburg e Andrew Macpherson investigam a interação desses micróbios intestinais benignos com o organismo hospedeiro.

A influência positiva da flora intestinal em nosso sistema imunológico é reconhecida há muito tempo. Curiosamente, até a microbiota intestinal materna já afeta o desenvolvimento do sistema imunológico da criança durante a gravidez e também imediatamente após o nascimento. Em um artigo de revisão publicado na revista Science, Stephanie Ganal-Vonarburg e Andrew Macpherson compilaram o conhecimento mais recente sobre até que ponto a flora intestinal materna está envolvida no desenvolvimento do sistema imunológico da criança. Eles também encontraram evidências de que os efeitos de substâncias vegetais que as mulheres grávidas ingerem através da dieta até agora foram subestimados em pesquisas e podem representar um risco potencial para o nascituro.

A placenta oferece apenas proteção parcial.

Os cientistas sempre assumiram que o embrião e o feto em desenvolvimento crescem em um ambiente completamente estéril no útero, ou seja, na ausência de micróbios colonizadores, e que a colonização com micróbios ocorre apenas no momento do nascimento. "No entanto, o feto não está protegido contra metabólitos microbianos originários da flora intestinal materna", diz Ganal-Vonarburg. A placenta oferece apenas proteção parcial e a transferência de substâncias microbianas leva à maturação do sistema imunológico inato da prole, já durante a gravidez. Estudos anteriores do grupo em torno de Ganal-Vonarburg e Macpherson demonstraram isso.

"É comum as mulheres grávidas tomarem medicamentos com muita cautela e somente após consultar seu médico, pois muitos medicamentos podem atravessar a placenta e interferir no desenvolvimento da criança. No entanto, sabe-se muito menos sobre quais substâncias naturais presentes na dieta podem ser transmitidas ao feto e até que ponto isso pode ser benéfico ou prejudicial ao desenvolvimento do sistema imunológico da criança", explica Ganal-Vonarburg.

Mesmo substâncias vegetais precisam ser manuseadas com cautela.

Juntamente com Andrew Macpherson, ela resumiu os resultados de pesquisas publicadas e encontrou evidências de que os produtos metabólicos da dieta não podem apenas atingir diretamente o organismo materno e, portanto, o feto em desenvolvimento, mas que isso geralmente ocorre apenas após o metabolismo pela flora intestinal. Isso também se aplica à ingestão de produtos à base de plantas, como superalimentos considerados particularmente saudáveis ​​durante a gravidez, como bagas de goji ou sementes de chia: "Embora os produtos vegetais sejam substâncias 'naturais', sempre são chamadas de substâncias xenobióticas estranhas ao corpo e devem ser manuseadas com muito cuidado", diz Macpherson. "Especialmente quando as mulheres grávidas tomam produtos à base de plantas em grandes quantidades".

Ganal-Vonarburg e Macpherson recomendam que estudos futuros investiguem quais substâncias naturais poderiam ter um efeito benéfico ou negativo no desenvolvimento do feto e que influência as diferenças na flora intestinal materna podem ter nesse processo.

Fonte: https://bit.ly/2McFgDJ

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.