Os ancestrais humanos que ingeriam carne prosperaram enquanto o Hominin vegetariano morria.


Recentemente, houve um acirrado debate sobre se a dieta original do homem das cavernas era um monte de carne ensanguentada ou vegetais. Novas descobertas sugerem que alguns de nossos ancestrais eram na verdade bastante onívoros. Mas, posteriormente, nossa linhagem e um grupo infeliz de hominins desenvolveram estratégias alimentares muito diferentes. Um escolheu a carne enquanto o outro avançava em direção a mais plantas.

Presume-se que o hominin Australopithecus, que viveu de cerca de 4 milhões a 2 milhões de anos atrás, seja um ancestral comum da linhagem Homo, que surgiu há 2,3 milhões de anos atrás e nos deu origem, e ao gênero Paranthropus, que foi primeiramente documentado cerca de 2,7 milhões de anos atrás e desapareceu cerca de 1 milhão de anos atrás. Alguns atribuíram a extinção do Paranthropus a uma dieta inflexível ou território limitado, especialmente diante das mudanças climáticas.

Uma equipe de pesquisadores liderada por Vincent Balter, da École Normale Supérieure de Lyon, decidiu investigar alguns desses debates. Eles usaram lasers para analisar o esmalte de dentes fossilizados pertencentes ao Australopithecus africanus, Paranthropus robustus e espécimes antigos de Homo, todos originários do sul da África. Ao avaliar as proporções de cálcio, bário e estrôncio, bem como o número de isótopos de estrôncio, a equipe conseguiu deduzir a dieta e o tamanho da área em que esses indivíduos variavam. Os resultados foram publicados on-line em 8 de agosto na Nature.

O Australopithecus ancestral consumia uma grande variedade de alimentos, incluindo carne, folhas e frutas. Essa dieta variada pode ter sido flexível para se adaptar à disponibilidade de alimentos em diferentes estações do ano, garantindo que eles quase sempre tivessem algo para comer. De acordo com a análise elementar, o Paranthropus era em grande parte consumidor de plantas, o que corresponde a estudos anteriores de morfologia dentária e padrões de desgaste. Também ajuda a explicar a estrutura maciça da mandíbula que eles possuíam, o que poderia ser útil para alimentos duros e ganhou um exemplar com o apelido de "homem quebra-nozes". O Homo precoce, por outro lado, adotou uma dieta rica em carne — possivelmente possibilitada pelo uso de ferramentas para caça e abate.

Fonte: https://bit.ly/3gzbib3

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.