Efeitos de suplementos nutricionais e intervenções dietéticas sobre os resultados cardiovasculares


Milhões usam suplementos dietéticos e uma variedade de dietas para proteger a saúde do coração. Mas uma grande nova análise descobriu que havia poucas provas, a partir de estudos rigorosos, de que suplementos e algumas dietas amplamente recomendadas têm o poder de prevenir doenças cardíacas.

A nova pesquisa, publicada no Annals of Internal Medicine, revisou dados de centenas de testes clínicos envolvendo quase 1 milhão de pessoas e descobriu que apenas alguns dos 16 suplementos populares e apenas 1 das 8 dietas avaliadas tiveram algum efeito perceptível nos desfechos cardiovasculares.

O ácido fólico, as dietas com sal reduzido e os ácidos graxos ômega-3, o tipo encontrado no óleo de peixe, mostraram alguns benefícios. Mas a evidência era bastante fraca. E pelo menos um deles mostrou evidências de danos: tomar cálcio com vitamina D aumentou o risco de derrame, possivelmente porque aumenta a coagulação sanguínea e o endurecimento das artérias.

As descobertas provavelmente causarão controvérsias e debates contínuos. Mas os pesquisadores disseram que uma mensagem clara de sua análise é que mais da metade dos norteamericanos que usam suplementos dietéticos devem ter cuidado com alegações de que multivitaminas e outros suplementos melhorarão a saúde do coração.

"As pessoas que tomam esses suplementos para melhorar sua saúde cardiovascular estão desperdiçando seu dinheiro", disse Safi U. Khan, professor assistente da Escola de Medicina da Universidade de West Virginia e principal autor do novo estudo.

As conclusões sobre os suplementos se encaixam nas conclusões de um relatório da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos, um grupo influente de especialistas em saúde que revisou suplementos vitamínicos e minerais em 2013 e encontrou poucas provas de que eles promovem a saúde cardiovascular. "Isso foi mostrado de forma muito consistente", disse Khan.

O novo estudo foi exaustivo. Os autores examinaram 24 suplementos e dietas analisando dados de 277 ensaios de prevenção cardiovascular envolvendo um total de 992.000 pessoas. Para obter respostas conclusivas, eles selecionaram apenas ensaios clínicos randomizados, nos quais as pessoas são aleatoriamente designadas para várias intervenções por um determinado período de tempo e que são consideradas o "padrão ouro" para o teste de tratamentos. Dados mais fracos de estudos observacionais, que podem mostrar apenas correlações e não causa e efeito, foram excluídos.

Em última análise, os pesquisadores descobriram uma surpreendente falta de benefícios tangíveis para quase tudo que eles olhavam, tanto suplementos quanto dietas.

Entre os suplementos que não mostraram evidência de protecção cardiovascular foram as vitaminas A, B, C, D e E, bem como beta-caroteno, cálcio, ferro, antioxidantes e multivitaminas. 2 suplementos apresentaram algum benefício, ácido fólico e ácidos graxos ômega-3, mas com ressalvas importantes.

Tomar ácido fólico diminuiu o risco de acidente vascular cerebral. Mas a descoberta foi em grande parte impulsionada pela pesquisa da China, onde as deficiências da vitamina são comuns. Os pesquisadores disseram que não está claro se as pessoas que tomam ácido fólico na América, onde os alimentos são fortificados, terão o mesmo benefício.

O óleo de peixe, um dos suplementos mais populares na América, é amplamente utilizado por seus ácidos graxos ômega-3, que são anti-inflamatórios. Um ensaio clínico recente descobriu que pacientes de alto risco que tomaram doses muito grandes de Vascepa, uma forma purificada de ômega-3 disponível apenas por prescrição, tiveram uma redução nos eventos cardiovasculares. Outro estudo descobriu que a suplementação com óleo de peixe pode beneficiar pessoas que comem muito pouco frutos do mar. Mas a maioria dos ensaios envolvendo o óleo de peixe tem sido decepcionante. Khan e seus colegas concluíram que, na melhor das hipóteses, havia apenas evidências fracas de que tomar óleo de peixe poderia prevenir doenças cardíacas.

"Isso apenas reforça que a história do suplemento é tão instável", disse o Dr. Eric Topol, cardiologista e fundador do Scripps Research Translational Institute, que escreveu um editorial que acompanha a nova avaliação. "Não só existe o potencial de dano, mas também não há provas concretas para o bem."

Quando o Dr. Khan e seus coautores analisaram várias dietas recomendadas para prevenção cardiovascular, eles encontraram uma falta similar de evidências sólidas.

Esse foi certamente o caso das dietas com baixo teor de gordura, que as autoridades de saúde recomendam há décadas como uma forma de diminuir o risco de colesterol e doenças cardíacas. Dr. Khan e seus colegas descobriram que os ensaios randomizados mais rigorosos não forneceram evidências de que comer menos gordura, incluindo gordura saturada, tivesse um impacto na mortalidade ou nos resultados cardiovasculares. As dietas com baixo teor de gordura têm caído em desuso entre as autoridades de saúde nos últimos anos, embora as diretrizes dietéticas do governo federal ainda encorajem as pessoas a limitar a ingestão de alimentos ricos em gordura saturada, como manteiga, carne e queijo.

Uma dieta que permanece altamente elogiada pelas autoridades de saúde é a dieta mediterrânea, com sua abundância de grãos integrais, feijão, nozes, frutas e legumes e azeite de oliva. Embora os testes clínicos tenham descoberto que reduzem o risco cardiovascular, alguns dos principais foram falhos e especialistas que examinaram as evidências da dieta pediram cautela.

Um dos maiores e mais divulgados testes de dieta mediterrânea, chamado Predimed e publicado em 2013, descobriu que reduzia os ataques cardíacos e derrames. Mas no ano passado foi recolhido por causa de problemas metodológicos. Os autores da Predimed publicaram uma nova análise de seus dados, alegando que suas conclusões não haviam mudado. Mas outros testes da dieta mediterrânea foram envolvidos em controvérsias semelhantes. Depois de analisar os dados de todos os ensaios relevantes, o Dr. Khan e seus colegas descobriram que "a totalidade das evidências não favorecia a dieta mediterrânea para desfechos cardiovasculares".

"Não é favorável ou prejudicial", acrescentou. "É apenas uma dieta neutra do ponto de vista cardiovascular".

A única intervenção dietética que parecia ter o maior apoio de ensaios randomizados foi a redução da ingestão de sal, embora os pesquisadores classificassem a evidência apenas como tendo "certeza moderada". E havia nuance. Dietas com baixo teor de sal reduziram a mortalidade por todas as causas apenas em pessoas com pressão arterial normal. Entre as pessoas com hipertensão, a redução da ingestão de sal reduziu as mortes por doenças cardíacas, mas não por outras causas.

Dr. Topol disse que em sua própria clínica ele vê uma ampla gama de respostas ao consumo de sal. Algumas pessoas são muito sensíveis ao sal: um pequeno aumento nos alimentos salgados pode ter um efeito pronunciado na pressão sanguínea. Mas outros podem comer refeições salgadas e sua pressão arterial dificilmente se moverá.

O Dr. Topol considera que os estudos dietéticos são difíceis de interpretar porque raramente levam em conta a maneira única pela qual diferentes pessoas podem ter respostas marcadamente diferentes às mudanças na dieta, seja no corte de sal ou na prevenção de gorduras ou carboidratos.

"O problema que temos aqui é que todos esses estudos essencialmente tratam todas as pessoas como uma só pessoa", disse ele. "Eu acho que todas essas coisas vão se tornar bastante heterogêneas. Talvez a restrição de sal seja realmente benéfica para alguns, mas ainda não definimos as pessoas que poderiam orientar isso."

Fonte: https://nyti.ms/2XWJgzH

Comentários