Por que comer carne foi proibido no Japão por séculos


por Kristi Allen,

Os motivos eram religiosos e práticos.

Em 18 de fevereiro de 1872, um grupo de monges budistas japoneses invadiu o Palácio Imperial para procurar uma audiência com o imperador. Na luta que se seguiu com os guardas, metade deles foi morta. A questão era algo que os monges consideravam uma crise espiritual existencial para seu país. Algumas semanas antes, o imperador havia comido carne bovina, efetivamente revogando uma proibição de 1.200 anos de consumo de animais. Os monges acreditavam que a nova tendência de comer carne estava "destruindo a alma do povo japonês".

Por razões religiosas e práticas, os japoneses evitaram comer carne por mais de 12 séculos. A carne bovina era especialmente um tabu, com certos santuários exigindo mais de 100 dias de jejum como penitência por consumi-la. A história do afastamento do Japão da carne começou com a chegada do budismo da Coréia no século VI. Naquela época, os japoneses eram comedores de carne. Carne de veado e javali (às vezes chamada de yama kujira, ou "baleia da montanha") eram particularmente populares. Os aristocratas gostavam de caçar e deleitar-se com entranhas de veados e aves selvagens.

Comer caça geralmente era menos problemático do que comer animais domesticados.

No entanto, o budismo ensina que os humanos podem reencarnar em outros seres vivos, incluindo animais. Os comedores de carne correm o risco de consumir seus próprios ancestrais reencarnados: não é um pensamento muito palatável. Os princípios budistas de respeito à vida e prevenção de desperdícios, especialmente no caso de alimentos, começaram lentamente a moldar a cultura japonesa e a se infiltrar nas crenças xintoístas nativas.

Em 675 DC, o imperador Tenmu emitiu o primeiro decreto oficial que proíbe o consumo de carne bovina, cavalo, cachorro, frango e macaco durante o auge da temporada agrícola, de abril a setembro. Com o passar do tempo, a prática seria solidificada e expandida para um tabu durante todo o ano, contra todos os que comem carne.

Mas a proibição de carne também tinha raízes seculares. Mesmo antes do budismo, a carne não era uma parte essencial da dieta japonesa. Como nação de ilhas, o Japão sempre se baseou em peixes e frutos do mar. Além disso, escreve o historiador Naomishi Ishige, "a proteína foi ingerida do arroz, e não da carne ou do leite". A criação de animais consome muitos recursos, por isso os agricultores japoneses que trabalham com espaço limitado em sua nação montanhosa na ilha evitaram isso. Também era do interesse do país desencorajar o consumo de animais úteis, já que havia relativamente poucos no Japão.

Como uma nação de ilhas, os frutos do mar foram o principal pilar da culinária japonesa.

Enquanto toda a carne era considerada corrupta e impura, comer animais selvagens não era completamente inédito. Além disso, a aristocracia japonesa nunca desistiu completamente da prática. Há registros de impostos pagos e presentes enviados a imperadores na forma de carne de porco, carne bovina e até leite. A carne ainda era um tabu entre as classes mais altas, mas era frequentemente tratada como um alimento especial com propriedades medicinais. (Mesmo monges budistas poderiam ocasionalmente consumir carne sob ordens do médico.) No século 18, o clã Hikone enviou seu presente anual de carne em conserva ao shogun em embalagens rotuladas como remédios. Os pássaros eram mais aceitáveis ​​como alimento do que os mamíferos, e golfinhos e baleias eram comidos com frequência, por serem considerados peixes.

Alguns mamíferos eram mais proibidos que outros. Segundo Ishige, "o conceito budista de transmigração de almas e o tabu na carne de mamíferos tornou-se vinculado, e a crença espalhou-se de que uma pessoa que comeu a carne de um animal de quatro patas, após a morte, seria reencarnada como um animal de quatro patas." Um decreto do governo declarou que qualquer pessoa que tivesse comido cabra selvagem, lobo, coelho ou cão-guaxinim (tanuki) deveria se arrepender por cinco dias antes de visitar um santuário. Aqueles que comeram carne de porco ou carne de veado, no entanto, foram obrigados a se arrepender por 60 dias. Para comedores de carne bovina e de cavalo, foram 150 dias. Nas raras ocasiões em que comiam carne, os japoneses cozinhavam em fogueiras fora de casa e evitavam olhar diretamente para os altares depois, para não contaminá-los.

Tempura tem raízes no estilo português de fritar.

Quando os missionários portugueses chegaram ao Japão no início do século XVI, eles foram avisados ​​de que os locais consideravam que beber leite era como beber sangue e que comer carne era impensável. Até o senhor da guerra Toyotomi Hideyoshi supostamente questionou os missionários portugueses sobre sua prática de comer carne, já que as vacas eram tão úteis quanto os animais de fazenda. No entanto, os portugueses foram capazes de espalhar parte de sua culinária para os moradores locais, incluindo doces, tempura e carne bovina, que os Kyotoites chamavam de waka, da vaca portuguesa.

Os costumes alimentares começaram a mudar mais rapidamente no final do século XIX. Depois que o imperador Meiji assumiu o poder em 1868, o governo japonês decidiu encerrar seus dois séculos de isolamento e adotar práticas e tecnologias ocidentais o mais rápido possível. Além disso, muitos acreditavam que "uma das razões pelas quais os japoneses tinham um físico ruim em comparação aos ocidentais era que eles não comiam carne ou laticínios", escreve Ishige.

Mutsuhito, o Imperador Meiji, como ele apareceu em 1872.

O governo Meiji começou a acabar com os antigos tabus alimentares. Eles criaram empresas para produzir carne e laticínios. Quando o próprio imperador comeu carne para celebrar o Ano Novo em 1872, foi um longo caminho para convencer os japoneses a abandonar seus costumes sem carne. Não foi uma transição fácil. Budistas devotos, como os monges que tentaram invadir o Palácio Imperial e os camponeses rurais que dependiam de seus animais para trabalhar na fazenda, há muito que aceitavam a ideia de que comer carne era um pecado. Um decreto da prefeitura de 1872 dizia: "Embora a carne bovina seja um alimento maravilhosamente nutritivo, ainda há um grande número de pessoas impedindo nossa tentativa de ocidentalização se apegando aos costumes convencionais", acrescentando: "Essa ação é contrária aos desejos do imperador".

No final, os desejos do imperador prevaleceram. Quando o Japão se abriu para o mundo, começou a absorver pratos à base de carne da Coréia, China e Ocidente. Logo, restaurantes caros de estilo ocidental que servem carne apareceram nas cidades, seguidos por restaurantes japoneses acessíveis, servindo um ensopado de carne medicinal, que evoluiria para o prato sukiyaki. Hoje, os japoneses comem quase tanta carne quanto frutos do mar. Embora tenha demorado algumas décadas, a carne agora faz parte da culinária japonesa tanto quanto o sushi.

Fonte: http://bit.ly/37R7s8H

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.