A dieta da idade da pedra (1975)


por Walter L Voegtlin,

"Cerca de uma geração atrás, uma palavra estranha começou a aparecer nos escritos científicos — ecologia. Esse termo significava apenas a relação de um organismo com o meio ambiente. Uma vez que essa nova disciplina abrangeu todas as informações conhecidas relacionadas a um determinado organismo, bem como todas as facetas do ambiente em que o organismo existia, a ecologia rapidamente se tornou uma ciência ultra sofisticada.

Agora, percebe-se que, embora o ambiente de um organismo como o homem possa mudar muito rapidamente, as mudanças físicas e funcionais nele são realizadas apenas através de um processo de evolução, e essas alternâncias adaptativas ocorrem na natureza apenas com deliberação profunda, ao longo de milhões de anos.

Estamos imaginando um curso de colisão existente entre o Homem imutável e seu ambiente em rápida mudança. Quanto mais rápidas suas mudanças ambientais, mais iminente é a colisão inevitável.

Este livro é um estudo da ecologia do homem, à medida que seu ambiente mudou com a rapidez (relativamente) semelhante a um relâmpago, dos tempos pré-histórico para os modernos, e para delinear o efeito que ele tem sobre a nutrição humana.

Será feita uma tentativa de responder à pergunta: "O homem moderno está realmente melhor ou pior em termos nutricionais do que sua versão da Idade da Pedra?"

Escrever este livro de fato foi divertido. Enquanto colecionava material para os primeiros capítulos, pude acrescentar muito ao meu conhecimento de anatomia e fisiologia comparadas, como são construídos vários tipos de animais e como funcionam os seus tratos digestivos. Os últimos capítulos me levaram a fomentar o mundo do passado, da antropologia e da arqueologia, que abracei com entusiasmo, embora de maneira amadora. Finalmente, aventurei-me na esfera sombria da filosofia, explorei alguns aspectos da produção futura de alimentos e estabeleci as terríveis previsões dos ecologistas populacionais para a chegada do século XXI.

Foi emocionante ver como cada pedaço de dados científicos de disciplinas tão separadas se encaixava em um mosaico de uma clareza tão inegável que o aforismo: "Isso ao contrário da natureza não pode ser fato" — foi novamente verificado, desta vez no campo da dietética e nutrição humana.

Inevitavelmente, na tentativa de mudar a opinião popular sobre um único assunto, é preciso pisar em muitos dedos e afrontar muitas vacas sagradas. Esse tipo de iconoclasticismo repousa pesadamente sobre mim, pois impõe uma grande responsabilidade. Em reconhecimento a isso, tentei fortalecer minha posição sobre cada assunto com o qual questionei a evidência documental. Ao fazer isso, o volume foi consideravelmente aumentado, mas, simultaneamente, prestei homenagem aos meus leitores por não impor a eles vários conceitos e crenças sem suporte, exceto pela arrogância profissional pessoal. Sempre foi minha doutrina que mesmo os mais rendidos merecem uma explicação da qual eles possam extrair sua própria opinião. Se a opinião dele é ruim, a culpa é do professor por não ser um mentor factual.

Embora a identificação do material de origem seja desejável, a conscientização dos custos de publicação impede a inclusão de uma bibliografia formal. Um substituto aceitável, espero, tem sido a lista de livros relevantes e revistas técnicas a partir dos quais a mente investigadora pode identificar uma autoridade com o mínimo de esforço. Quando artigos técnicos são reportados na mídia, revistas ou periódicos, é feita uma citação para conveniência do leitor.

No início do planejamento deste livro, surgiu o problema de selecionar um formato capaz de alcançar dois objetivos: (1) explicação de seu conteúdo em termos suficientemente lúcidos para o paciente; (2) inclusão de evidência técnica suficiente para satisfazer a mente curiosa dos médicos.

Ao adotar essa técnica, pretendo atrair uma audiência bipartida: médicos para examinar e, espero, aceitar esses novos conceitos de dieta e nutrição, e leigos para serem guiados no tratamento dietético de seus próprios problemas de indigestão nervosa, distúrbios funcionais de trato digestivo, obesidade e outras doenças orgânicas.

Ficarei realmente satisfeito se meus colegas acharem adequado recomendar este volume a seus pacientes para esse fim.

Espera-se que os pacientes não fiquem desanimados se atravessarem seções que lidam com ciências médicas, e que os médicos reconheçam e aceitem carinhosamente o grau de simplificação necessário para ensinar leitores leigos, que são um pouco menos eruditos cientificamente do que nós.

Se este livro deve ser dedicado a alguém, deve ser a um homem, mulher ou criança ocasional que ainda possa resistir à autoridade ilusória dos comerciantes de alimentos, seus anúncios pródigos e comerciais espetaculares de televisão e manter uma independência intelectual suficiente para pensar por si mesmos."

Livro disponível em PDF

4 comentários:

  1. Thanks for pointing to this outstanding book

    ResponderExcluir
  2. A cada dia estou estendendo mais que o mundo virou de cabeça para baixo e que fomos abençoados de compartilhar os mesmos caminhos "tortos” e "avessos" em relação ao moderno modelo "saudável”. Grata por disponibilizar conteúdo de qualidade. );

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.