Doença cardiovascular na tribo africana Masai


Embora seja amplamente dito que uma grande ingestão de gordura animal e particularmente de gorduras saturadas produz hipercolesterolemia e por sua influência na aterosclerose, existem várias observações epidemiológicas que não sustentam essa relação. Se essa hipótese fosse verdadeira, pareceria necessário que grupos de pessoas, que por razões culturais habitualmente consumissem grandes quantidades de gordura animal, tivessem hipercolesterolemia e doenças cardiovasculares extensas. Com a intenção de examinar esse assunto, realizaram um levantamento da prevalência de doenças cardiovasculares e dos níveis de colesterol sérico entre os massais de Tanganyika.

É de interesse histórico que uma das primeiras e agora clássicas pesquisas dietéticas tenha sido realizada há anos atrás entre os massais e seus vizinhos vegetarianos, os Kikuyu, por ORR AND GILKS. Eles observaram diferenças marcantes de forma física entre as duas tribos. As vantagens dos Masai foram atribuídas à sua dieta rica em proteína animal. Enquanto este estudo estava em andamento, um tipo semelhante de estudo foi concluído por SHAPER et al., entre a tribo Samburu da província da fronteira norte do Quênia. Essas pessoas estão relacionadas etnologicamente aos Masai. Eles também são pastores, nilo-haitianos, que tiveram um alto consumo de gordura animal. Entre os homens, esse valor era de 300 a 400 g por dia. Como entre os massais, a classe de guerreiros ou murran samburu na época de sua iniciação, com cerca de 14 anos, está vinculada pela tradição tribal a uma dieta de leite e carne pelas próximas duas décadas. Não são consumidos produtos vegetais. É nessa classe de guerreiros que o consumo de gordura animal é alto, tanto no Samburu quanto no Masai.

SHAPER observou uma prevalência muito baixa de hipertensão e uma baixa prevalência de cardiopatia arteriosclerótica, como evidenciado pela eletrocardiografia. Esse estudo foi baseado em uma amostra de 200 homens.

O presente estudo descreve os achados em 400 homens Masai e algumas mulheres e crianças adicionais examinadas durante um período de quatro semanas em 1962 no sul Masailand de Tanganyika (Fig. 1). Uma parte da amostra foi reexaminada em maio de 1963, no auge do fluxo de leite no gado Masai.

Os autores favorecem a conclusão de que a gordura da dieta não é responsável pela doença coronariana.

Fonte: http://bit.ly/36kgcTH

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.