Por que demorou tanto tempo para decifrarmos o escorbuto?

O capitão Cook impressionou a Sociedade Real com seu uso bem-sucedido de saurkraut para afastar o escorbuto. Imagem: 'Oatehite' de Isaac Robert Cruickshank (1789-1856)

Por Afifah Hamilton,

Pensamentos em uma palestra: "Marinheiros e escorbuto, as conexões locais" do professor Duncan Colin-Jones, MD FRCP (Londres) na Sociedade de História da Medicina de West Sussex em 23 de novembro de 2019.

  • Encontrar uma solução para o escorbuto foi de grande importância para a Marinha Britânica, pois afetou cerca de três quartos daqueles que foram para o mar por mais de algumas semanas.
  • No caminho lento para identificar a causa do escorbuto, as soluções foram tropeçadas repetidamente, apenas para serem esquecidas novamente, várias vezes.
  • Nós agora sabemos que a deficiência de vitamina C é a causa do escorbuto, mas exatamente como ela funciona no organismo e que leva ao seu esgotamento é crucial para apreciar a história desta doença.

Os benefícios do citros para prevenir e curar o escorbuto foram descobertos e descobertos novamente, apenas para serem perdidos nesse ínterim.
Escorbuto: Um conto da maldição dos marinheiros e uma cura que se perdeu — New Scientist

O papel da vitamina C no escorbuto

A vitamina C é um cofator vital na síntese de colágeno. Existem cinco tipos de colágeno (tipo 1 - 5), todos os quais requerem vitamina C nas etapas iniciais de sua formação dentro das células, onde a vitamina C catalisa a união de dois aminoácidos (prolina e lisina) para formar pró-colágeno. O pró-colágeno fornece os blocos de construção dos quais as fibras de colágeno são montadas. Com o colágeno representando cerca de um terço de todas as proteínas do nosso corpo, fica clara a importância da vitamina C adequada! Quando a vitamina C é deficiente, todos os tipos de tecidos perdem a integridade estrutural. Quanto mais estresse em um tecido específico, mais rápido ele perde sua integridade, pois a rotatividade e a reconstrução não conseguem acompanhar.

Portanto, quando a vitamina C é insuficiente ou francamente deficiente, encontramos degradação das estruturas, começando pelos dentes, pois as gengivas recebem pressão toda vez que mastigamos, exigindo constante remodelação do colágeno; enquanto feridas antigas podem reabrir ou fragilizar à medida que o colágeno no tecido cicatricial se decompõe.


Fig 1. Os cabelos em espiral na base do folículo são indicativos de deficiência de vitamina C.

Além disso, os vasos sanguíneos podem começar a perder sua integridade estrutural, levando a um aumento de hematomas. Um efeito específico é observado nos folículos capilares que sofrem hemorragia na superfície ou abaixo, levando o fios de cabelo crescerem em uma distorção espiral (ver Fig.1) que, acredito, é patognomônico para o escorbuto, e geralmente é acompanhado de hematomas (pápulas hemorrágicas perifoliculares).

A razão pela qual a vitamina C é tão importante para os seres humanos, é claro, é que nos falta a enzima pela qual a glicose é convertida em vitamina C, daí a necessidade de ingeri-la diretamente, através dos alimentos. Quase todos os outros mamíferos podem produzir sua própria vitamina C pelo mecanismo abaixo:


Os seres humanos perderam a capacidade de converter glicose em vitamina C. Observe, no entanto, a semelhança em sua estrutura molecular [fonte: Waheed Roomiest, 2015].

Como você pode ver no diagrama acima, a vitamina C e a glicose têm estruturas muito semelhantes. Na verdade, elas compartilham o mesmo local receptor (GLUT1) que elas usam para entrar nas células. Isso significa que há concorrência entre glicose e vitamina C, de modo que, quando a glicose é abundante no sangue — por exemplo, após uma refeição rica em carboidratos ou no diabetes quando o açúcar no sangue não é controlado — a taxa de captação de vitamina C nas células é reduzida, levando à deficiência funcional de vitamina C.


Uma "dieta rica em carboidratos" é simplesmente baseada em amidos, como cereais e açúcares. Essas dietas já foram a base dos pobres, enquanto as pessoas mais abastadas podiam comprar carne e outras proteínas animais como uma proporção maior de suas dietas, mas hoje os alimentos ricos em amido são responsáveis ​​por aproximadamente 50% das calorias da dieta ocidental padrão. Cada vez que uma refeição à base de carboidratos é ingerida, o açúcar no sangue aumenta por duas a três horas. Isso induz uma hiperglicemia leve, que pode ter implicações na capacidade da vitamina C ser absorvida pelas células, onde é necessária.

Em uma dieta padrão ocidental (rica em carboidratos), a glicose no sangue (linha vermelha) é continuamente aumentada ao longo do dia em comparação com os níveis basais (noturnos). Quais são as implicações para o metabolismo da vitamina C?

Pesquisas recentes sobre diabetes descobriram que, quando os diabéticos tipo 2 (que normalmente têm níveis ainda mais altos de glicose no sangue) recebem 1000mg (1g) de vitamina C por dia, houve melhorias significativas na glicemia de jejum, triglicerídeos (que são um marcador de ingestão excessiva de carboidratos), colesterol LDL, hemoglobina glicada (HbA1c) e insulina sérica. Você pode ler o resumo do estudo aqui. E isso faz sentido à luz do que acabamos de esclarecer.

Então, voltando à história do escorbuto...

Século 15 e 16 — curas precoces do escorbuto

Parece que o escorbuto é conhecido e esclarecido muitas vezes desde os tempos antigos, presumivelmente porque exploradores, capitães e viajantes encontraram soluções, talvez por acidente ou talvez seguindo seus instintos e buscando frutas e vegetais frescos no momento em que tiveram acesso a eles, observando, em poucas horas ou dias, que eles e seus tripulantes se recuperavam dos sintomas do escorbuto. Não está claro como eles tiveram suas ideias, mas há muitos casos documentados de táticas de sucesso.

Os primeiros exemplos de medidas bem sucedidas para evitar escorbuto incluíram os exploradores portugueses como Vasco da Gama, que navegou para o leste, para a Índia, e Pedro Alvarez Cabral, que foi para o oeste, para o Brasil, no final dos anos 1400 e início dos 1500, respectivamente. Eles e o expedicionista francês Jacqures Cartier, que navegou no rio São Lourenço, todos esses exploradores utilizaram as galhos ricas em ascorbato da Árvore da Vida (Thuja occidentalis). O Thuja é um medicamento fitoterápico de valor inestimável, com muitos usos além do fornecimento de ácido ascórbico e ainda é usado regularmente por médicos Herbalistas como eu em suas práticas.

Cocleária (Cochlearia officinalis)

foi embarcada em pacotes secos ou extratos destilados. Seu gosto muito amargo era geralmente disfarçado de ervas e especiarias; no entanto, isso não impediu que as bebidas e os sanduíches de Cocleária se tornassem uma moda popular no Reino Unido até meados do século XIX, quando as frutas cítricas se tornaram mais facilmente disponíveis. (Wikipedia)

A Cocleária cresce ao longo da costa da Europa e foi reconhecida como uma cura para o escorbuto e era comida pelos marinheiros que retornavam quando chegavam em terra firme. Agora sabemos que é uma rica fonte de vitamina C. (Os nomes populares de ervas são frequentemente sinais confiáveis ​​de aplicações há muito descobertas. Outros nomes notáveis ​​e confiáveis ​​de ervas populares que surgem na mente são pilewort e eyebright).

Um experimento inicial foi realizado pelo capitão da Inglaterra James Lancaster. Durante sua viagem a Sumatra em 1601, com quatro navios, cada um deles realizou um plano diferente para evitar o escorbuto. Cada tripulante do navio Red Dragon, no qual o próprio Capitão Lancaster navegava, recebia uma ração diária de suco de limão, e os outros três navios usavam outras abordagens experimentais (que, infelizmente, não sabemos). No entanto, ao chegar à África do Sul, quatro meses após a partida de Torbay, as tripulações dos outros três navios foram seriamente afetadas pelo escorbuto, então Lancaster se certificou de estocar suco de cítrico para seus homens em todos os navios.

Apesar dessas primeiras experiências e testes, e dos fracassos e sucessos que eles constituíram, ainda levou mais 150 anos para que a ficha caísse completamente, e então tudo dependia da determinação de um homem — o Dr. James Lind, médico chefe do Hospital Naval Haslar em Portsmouth, que realizou o que hoje é considerado um dos primeiros ensaios clínicos documentados nesse flagelo aparentemente implacável. A chave para esse status elevado é, claro, que ele o escreveu e teve suas descobertas impressas.

1753 — O primeiro 'ensaio clínico' para uma cura escorbuto

O experimento de Lind consistiu em colocar os marinheiros afetados pelo escorbuto em pares, e depois dar a um de cada par um dos seis remédios experimentais, enquanto o outro agia como controle. Os remédios no ensaio foram:

  1. Elixir de vitríolo (ou seja, ácido sulfúrico diluído, tomado através de um tubo de vidro para evitar danos aos dentes, aparentemente, com a boca lavada posteriormente pelo mesmo motivo)
  2. Um litro de cidra
  3. Seis colheres de vinagre
  4. Meio litro de água do mar
  5. Pasta de especiarias e água de cevada
  6. Citrino

É claro que as frutas cítricas eram de longe o tratamento mais eficaz, embora a cidra também tivesse algum benefício. Isso foi escrito no 'Tratado sobre o escorbuto' de Lind e publicado em 1753.

Venho investigando um fac-símile desse trabalho incrível, que é bastante difícil de ler, e me surpreendo com a coisa toda. Além do experimento acima, Lind obviamente tratou centenas de pessoas, homens e mulheres, sofrendo de escorbuto, mas também de outras doenças reconhecíveis, geralmente concomitantes ao escorbuto. Os tratamentos mencionados em seu Tratado são muito diferentes entre si e, honestamente, bom demais para ser verdade. Aqui está um desses tratamentos que, aparentemente, funcionou muito bem para alguns pacientes e, a partir disso, é possível ver por que todo o processo de entendimento da vitamina C foi tão longo e confuso. Esta é uma descrição muito breve (minha versão de suas palavras) de uma das situações em que ele escreve:

Ele diz que.. homens dos navios de Sua Majestade foram preservados do escorbuto, ao largo da costa da França, por suprimentos de verduras enviados da Inglaterra, mas os marinheiros dos Transportadores não tiveram esse benefício. Os proprietários desses navios não forneceram as suas tripulações verduras ou frutas, então ficaram muito afetados pelo escorbuto. Muitos deles, trabalhando sob esse mal grave e sem remédios adequados, foram levados para a praia e, depois de serem despidos, foram enterrados em uma cova escavada na terra (a cabeça sendo deixada acima do solo) e deixados assim por vários horas até que um suor grande e abundante se seguisse. Depois dessa provação, muitos que não tinham conseguido andar, agora podiam fazê-lo, e voltaram para seus barcos, dois deles, que haviam sido bastante incapacitados pela doença, ficaram recuperados em um estado de saúde tão perfeito que embarcaram para as Índias Ocidentais, totalmente recuperados e de bom humor, sem provar uma vez nenhuma verdura.

Então, o que se deve pensar nisso? Os comentários de Lind revelam que ele é da opinião de que o escorbuto se deve em parte a "paixões da mente", que parecem influenciar fortemente os marinheiros. Essa é realmente uma observação valiosa (e ele testemunhou coisas dessa natureza com frequência), porque agora sabemos que, de todos os tecidos, as glândulas adrenais têm o mais alto nível de vitamina C, e isso diminui rapidamente à medida que a adrenalina é produzida, o que é um processo muito rápido. Provavelmente, é o caso de marinheiros estressados ou mesmo de alguém que esteja doente com alguma coisa ou que esteja sofrendo de qualquer estressor (dos quais existiam muitos na década de 1700 e atualmente) que teria uma maior necessidade de vitamina C, para evitar o escorbuto.

A cura com citrus cai em desuso

Tendo encontrado frutas cítricas como uma cura para o escorbuto, você pensaria que o problema havia sido resolvido. Mas não. Ao longo das décadas seguintes à descoberta, a dúvida de Lind foi lançada sobre a eficácia desse método.

Inicialmente, o suco de limão era dado aos marinheiros, embora, na época, fosse conhecido como "suco de lima". Isso funcionou bem como solução eficaz do escorbuto até que os limões da Espanha e Malta foram substituídos por suco de lima engarrafado presumivelmente mais barato das Índias Ocidentais Britânicas. Hoje sabemos que os limas contêm muito menos vitamina C do que os limões, e o processo de engarrafamento, que usava tubos de cobre, causou uma redução adicional da vitamina C à medida que oxidava, mas na época se supunha que essas frutas cítricas eram equivalentes e, portanto, esse suco de lima para os homens era menos eficaz do que o suco de limão fresco anterior.

Com o tempo, concluiu-se que a marinha não tinha uma solução para o escorbuto, afinal. Contudo, antes que o assunto pudesse ser resolvido, melhorias na nutrição geral e aumento da velocidade das viagens fizeram com que o problema do escorbuto diminuísse de qualquer maneira, de modo que a causa do escorbuto se tornou novamente confusa e, em geral, um mistério.

As rações típicas de navios pioraram o escorbuto?

A Marinha Real forneceu a cada marinheiro um quilo por dia de 'Hardtack' — um simples biscoito seco feito de água e sal e farinha —, de modo que essa teria sido a principal fonte de calorias para os homens em longas viagens. Para torná-los mais comestíveis, eles embebiam seus biscoitos em cerveja ou sopa de ervilhas com carne de porco salgada cozida (ervilhas secas e aveia também faziam parte da abastecimento de um navio).

Será que essa comida básica teria contribuído para a incidência de escorbuto? Os biscoitos do navio são, basicamente, carboidratos (glicose), cozidos 2, 3 ou 4 vezes, para realmente secar e retardar a deterioração (a aderência dura pode manter-se por anos), mas, sendo apenas amido seco, ou seja, glicose, comendo isso como o predominante alimentos por semanas a fio podem muito bem ter contribuído para a depleção de vitamina C, aumentando o risco de escorbuto. Da mesma forma, a aveia não teria ajudado o escorbuto, pois também é dominante em carboidratos e não contém vitamina C. As ervilhas secas podem conter uma pequena quantidade de vitamina C, mas novamente eram principalmente carboidratos. Se apenas carne e ervilhas fossem fornecidas aos homens, a taxa de escorbuto provavelmente seria muito, muito menor.

Sem deficiência de vitamina C em uma dieta apenas com carne?

Uma das descobertas mais interessantes dos últimos anos sobre a vitamina C é que algumas pessoas que comem nada além de carne — ou seja, a brigada da dieta carnívora — não ficam com escorbuto mesmo depois de muitos anos comendo apenas carne. Conheço dois médicos, um cirurgião ortopédico e outro psiquiatra, que não comem plantas e vivem quase exclusivamente de carne bovina. Não tomam suplementos, nem mesmo vitamina C, e ainda não desenvolveram escorbuto. Se eles desenvolveriam sinais de deficiência de vitamina C se estivessem estressados ​​por estar no mar por semanas ou meses a fio, eu não sei, mas pode ser que, na ausência de glicose em sua dieta, a pouca vitamina C que eles têm pode ser reciclada o suficiente para impedir o desenvolvimento de escorbuto.

Devo acrescentar que o Dr. Shawn Baker, o cirurgião ortopédico em questão, é o remador de velocidade mais rápido do mundo e um formidável levantador de peso. De fato, durante os dois anos desde que se tornou carnívoro, ele bateu seus próprios recordes, apesar de completar 52 anos! Esse nível de atividade física certamente conta como estresse. Aqui está um breve artigo sobre ele a partir de 2017. A Dra. Georgia Ede, a psiquiatra, está frequentemente no palco, falando em conferências, o que também é estressante, nesta era de tudo o que acontece no youtube, mas ela também não sofre de escorbuto. Você pode ouvir uma entrevista com ela no início deste ano aqui. Então... parece que a total ausência de carboidratos na dieta significa que há muito pouca glicose no sangue para interferir com o nível natural de vitamina C. sérica. Quão interessante é isso ?!

Vitamina C na sepse

Mas a próxima pesquisa realmente emocionante que tenho acompanhado é sobre doses altas de vitamina C, administradas por via intravenosa em casos graves de sepse. A sepse tem uma taxa de fatalidade de 40%, em média, em todas as faixas etárias e cerca de 60% em choque séptico, mas para resgatar dessa condição comum devastadora é a alta dose de vitamina C que traz as pessoas de volta da beira da morte por sepse. Paul Marik, da Eastern Virginia Medical School, está fazendo testes clínicos, assim como outros, e os resultados são impressionantes, aparentemente sem efeitos colaterais, o que é exatamente o que se esperaria ao dar vitamina C a alguém com escorbuto. Restaure a vitamina para o nível adequado, e a deficiência não existe mais. Que maravilha!

A deficiência de vitamina C é responsável pela vulnerabilidade dos órgãos à invasão bacteriana?

Durante a infecção bacteriana, as reservas de vitamina C se esgotam muito rapidamente. Se o status de vitamina C de um indivíduo for baixo, esses estoques esvaziarão mais rapidamente. Mantê-los cheios durante infecções é, portanto, prudente (e barato). Quando a infecção bacteriana ocorre sem propagação e se espalha para múltiplos órgãos, isso pode levar à falência de múltiplos órgãos, apesar dos esforços heroicos da equipe especializada do hospital. Mesmo com todos os meios usuais, os médicos de emergência aguda têm à sua disposição, como antibacterianos, anti-inflamatórios (esteroides), reposição de fluidos, oxigênio, etc. o prognóstico ainda não é bom. Abordar a deficiência de ácido ascórbico pode representar um fator vital que pode alterar significativamente o resultado.



1801, HMS Endeavour: Chucrute para o resgate

Voltando à história do escorbuto, uma das coisas de grande significado é que a primeira viagem aos antípodas, pelo capitão Cook no navio de pesquisa da Marinha Real Britânica HMS Endeavour, não perdeu nenhum homem para o escorbuto, porque ele levou barris de chucrute com rações diárias para os homens, embora fosse a mais longa viagem marítima de todos os tempos! Portanto, apesar de ter apenas 15mg de vitamina C por 100g — cerca da metade dos limões frescos — o chucrute conseguiu evitar o escorbuto. Comparado ao Citrus, o chucrute teria sido consideravelmente mais barato, poderia ser consumido em quantidade mais facilmente e autoconservado, tornando-o adequado para longos períodos no mar. Acho que o motivo pelo qual o chucrute não foi lançado como padrão para toda a Marinha foi que os homens não gostaram do sabor.

Meu interesse neste projeto histórico é pessoal, pois meu ancestral, o paisagista William Westall, estava na segunda viagem da Inglaterra realizando uma pesquisa na Terra Australis, sob a capitania de Matthew Flinders no HMS Investigator (anteriormente chamado Xenophon). O capitão Flinders realizou a primeira circunavegação da ilha da Austrália. Ele deixou o porto de Spithead, em Solent, Hampshire, em julho de 1801 e iniciou a circunavegação da Terra Australis em dezembro daquele ano, completando-a em junho de 1803. De fato, foi Flinders quem nomeou a Austrália (que havia sido chamada de Nova Holanda até então). Abaixo está uma das primeiras pinturas da flora e fauna da Austrália, pintadas por meu ancestral. Outras estão sob os cuidados da Australia House, em Londres.

Vista de Port Jackson do Sul por William Westall (Domínio público)

1901 — Escorbuto entre os exploradores do Ártico

Embora não fosse mais um problema para a marinha, no início do século XX, a questão do que causou o escorbuto se tornou um problema para os exploradores do Ártico. Ao contrário dos marinheiros que faziam escalas regulares no porto e mantinham os níveis de vitamina C em alta, os primeiros exploradores do Ártico ficavam fora por meses ou anos e tinham acesso muito limitado a alimentos frescos. Pemmican era o alimento mais eficiente, peso por nutrientes, que esses exploradores carregavam.

Pemmican, a comida famosa dos viajantes, em sua forma tradicional, consiste em carne magra ralada seca, como alce, búfalo ou carne bovina, misturada com gordura animal derretida, de preferência a gordura que circunda os rins dos animais, pois é a mais saturada e, portanto, menos propensa a ficar rançosa com o tempo. Sendo simplesmente gordura e proteína, nada mais, esse alimento foi considerado o mais denso em termos nutricionais e, portanto, eficiente e economizador de espaço para longas jornadas em terras desconhecidas. Todos os primeiros exploradores do Ártico e Antártico levaram pemmican com eles, pois provaram seu valor após serem introduzidos na Europa pelos pioneiros caçadores de peles e comerciantes das terras selvagens do Canadá. Por sua vez, foram apresentados pelos índios nativos americanos Cree.

Quando os exploradores do Ártico, tendo pacotes de pemmicans como único alimento, desenvolveram escorbuto, acreditava-se que fossem intoxicações alimentares provenientes de 'pemmican contaminado'. Os nutricionistas modernos provavelmente diriam que isso se devia aos níveis extremamente baixos de vitamina C no pemmican. Mas parece ser um pouco mais complicado que isso. Os exploradores da época sabiam como evitar o escorbuto quando subsistiam de pemmican, e isso era, quando possível, incluir carne fresca na dieta:

Um membro do partido de Scott em 1901 (Dr. Reginald Koettlitz) passou três anos no Ártico como membro da expedição Jackson-Harmsworth e observou que o escorbuto não era um problema sério para eles. Isso ele creditou a comer regularmente carne fresca (foca e pinguim). O papel do escorbuto no retorno de Scott do Polo Sul, AR Butler, 2013

A carne fresca não seria normalmente considerada uma fonte significativa de vitamina C, mas todo o tecido animal contém quantidades vestigiais (fígado, cérebro, pulmões, baço e principalmente glândulas adrenais). Em uma dieta ocidental normal, essas quantidades definitivamente seriam insuficientes, pois a maioria das pessoas tem uma dieta rica em carboidratos, mas essa não era a experiência de exploradores do Ártico como Reginald Koettlitz, que haviam evitado o escorbuto por três anos, simplesmente incluindo carne fresca em sua dieta, junto com pemmican. Sem carboidratos concorrentes (isto é, glicose), é possível que a quantidade vestigial de vitamina C na carne seja suficiente para evitar o escorbuto? Parece que sim, e pode explicar de alguma maneira como aqueles que seguem a dieta moderna carnívora também conseguem evitar o escorbuto. Afinal, parece que os seres humanos evoluíram com uma dieta principalmente carnívora ao longo de períodos significativos de evolução.

Durante a expedição de Scott em 1901, logo se desenvolveu um leve escorbuto. Eventualmente, ele ouviu a equipe que concordou com Reginald Koettlitz. Após aumentar o consumo de carne fresca de pinguim, a situação melhorou tanto que Scott permitiu que o regime continuasse.

O pemmican 'nutricionalmente melhorado' levou a mais escorbuto?

Acredito que esse aspecto de Scott da Antártica (Robert Falcon Scott) e sua trágica e extraordinária história tenham sido mal compreendidos. Espero esclarecer aqui.

Almirante Robert Peary, o explorador do Ártico, contou com o pemmican, assim como Scott e sua equipe durante sua primeira exploração antártica, chamada Discovery Expedition 1901 — 1904. No entanto, de acordo com Barry Groves (em seu excelente livro "Trick and Treat" 2008), os nutricionistas da época acreditavam, equivocadamente, que o pemmican precisava melhorar. O dogma da época afirmava que "a gordura queima apenas na chama do carboidrato" e, portanto, o pemmican precisava que o carboidrato fosse adicionado. Sob essa ilusão, eles insistiram em que a farinha de ervilha fizesse parte desse alimento confiável e quase perfeito, com, acredito, consequências desastrosas. O almirante Peary, um explorador americano do Ártico, escreveu: '... fui convencido a comprar um pemmican de marca estrangeira. Depois de ter navegado e já era tarde para remediar o erro, descobri que era em grande parte composto por farinha de ervilha'.

Os nutricionistas acrescentaram ainda mais substâncias com baixo teor de nutrientes ao pemmican, como passas e açúcar. O resultado não foi apenas um alimento mais volumoso e menos denso em energia, mas levou à necessidade de vitamina C para combater a presença de glicose. Esse não seria o caso se o pemmican tradicional genuíno e isento de carboidratos tivesse sido levado em explorações longas e perigosas. É preocupante refletir que a segunda e infeliz expedição de Scott Nova Terra no Polo Sul de 1910-1912 pode ter terminado em tragédia devido a esse pemmican de baixa qualidade e ao severo escorbuto que se abateu sobre sua equipe como consequência. Acredita-se que Roald Amundsen — cuja equipe chegou ao Pólo Sul um mês antes de Scott — tenha comido apenas o pemmican puro, livre de carboidratos e original, e toda a sua equipe sobreviveu, sem escorbuto (tanto quanto pude determinar).

Esta é uma lição objetiva de confiar nas tradições em detrimento de novas ideias? Certamente parece-me assim, e eu gostaria de ouvir algumas humildes desculpas dos cientistas nutricionais que agora, como então, promovem com confiança alimentos e "sabedoria" dietética para os quais não há justificativa, mesmo diante de fortes evidência em contrário.

Vitamina C e proteção do fígado

Possivelmente, o aspecto mais surpreendente da vitamina C é o seu efeito protetor no fígado quando danificado pelo alcoolismo! Agora, não estou sugerindo que alguém se torne um alcoólatra ou beba muito, mas tomar vitamina C antes de tomar álcool realmente parece ser uma medida defensiva fácil e eficaz. Por favor, leia o artigo do BMJ aqui. Em particular, observe a seção ilustrada na Figura 1, onde podemos ver que, à medida que os níveis de álcool no sangue aumentam, a excreção urinária de vitamina C também aumenta, resultando em um déficit líquido de vitamina C, enquanto que quando pré-tratado com vitamina C antes de uma ingestão aguda de álcool, há uma liberação mais rápida de álcool do sangue e redução resultante dos déficits neurológicos típicos que são comuns quando bêbados (isto é, coordenação motora prejudicada e discriminação de cores). E não faltam casos documentando o "escorbuto florido" em alcoólatras crônicos, conforme listado neste artigo do BMJ.

E, voltando à Marinha, esse efeito protetor da vitamina C do fígado sugere outra possível razão pela qual o escorbuto era um problema para os marinheiros da antiguidade. Aqui descobrimos que as normas tradicionais eram realmente más notícias, pois havia uma tradição de fornecer aos marinheiros uma ração diária de cerveja ou, mais tarde, bebidas encorajadoras, como o rum. De fato, as rações de rum continuaram na Marinha Britânica até 1970, quando a prática foi abolida.

Ironicamente, durante o período em que o suco de limão estava sendo usado para evitar o escorbuto, o costume era adicioná-lo às rações diárias de marinheiros. É (literalmente) preocupante considerar que o problema do escorbuto poderia ter sido resolvido removendo o álcool das rações dos marinheiros, reduzindo assim a necessidade de vitamina C. Esse experimento não teria sido popular e, de qualquer forma, seria quase impossível de aplicar. Os marinheiros gostavam de suas rações com rum e, mesmo em 1970, quando a prática terminou, os marinheiros nomearam o dia 31 de julho daquele ano como 'Black Tot Day' para marcar seu descontentamento.

Então, nós realmente 'resolvemos' o escorbuto?

James Lind deve ter sentido que finalmente solucionara o escorbuto, mas sua tese logo caiu em desuso. Hoje, identificamos a deficiência de vitamina C como a causa — o que é indubitavelmente correto, mas apenas muda a questão de quanta vitamina C os humanos precisam e em que condições? Como vimos com os inuítes, alguns exploradores do Ártico, juntamente com os defensores modernos da dieta carnívora, parecem sobreviver com pouco ou nenhum alimento rico em vitamina C, mas ainda assim evitam o escorbuto. Algo está acontecendo aqui relacionado à dieta de baixo carboidrato / baixa glicose, que precisa de outro post em outro dia, mas acredito que descobri um possível mecanismo que possa explicar isso relacionado à reciclagem celular de vitamina C e aos receptores glut-1.

Para finalizar, quero destacar o incrível volume do Institute of Nutrition, chamado Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fiber, Fat, Actyty Acids, Cholesterol, Protein, and Amino Acids. Esse livro é a autoridade mundial em todos os aspectos da nutrição. Inclui uma grande quantidade de minúcias de vastas quantidades de dados, e acho que deve ser permitida a palavra final sobre carboidratos que mencionarei neste artigo, porque o carboidrato (ou seja, glicose) compete com a vitamina C e peço que você mesmo leia esta seção através deste pdf. Você terá que percorrer um longo caminho para chegar à página 275 (de 971 páginas de texto, seguidas por mais 160 páginas de apêndices e biografias dos autores), mas a seção lá, intitulada 'Efeitos clínicos da ingestão inadequada', vale a pena ler. A afirmação que quero destacar no contexto deste artigo sobre a história do escorbuto / vitamina C diz o seguinte:

"O limite mais baixo de carboidratos da dieta compatível com a vida aparentemente é zero, desde que quantidades adequadas de proteína e gordura sejam consumidas." Referências dietéticas à ingestão de energia, carboidratos, fibras, gorduras, ácidos graxos, colesterol, proteínas e aminoácidos 2005 — página 275

Fonte: http://bit.ly/38AqrDJ

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.