Uma dieta complementar à base de carne ou laticínios leva a padrões de crescimento distintos em bebês alimentados com fórmula

A carne é melhor que o leite como fonte superior de proteína para o crescimento em comprimento (vs crescimento em peso) durante o desmame.

O objetivo deste estudo foi comparar diretamente o efeito da proteína de duas fontes alimentares complementares comuns, carne e laticínios, no crescimento infantil e na trajetória do peso.

Bebês de 5 a 12 meses de idade, alimentados com fórmulas foram recrutados na região metropolitana de Denver, pareados por sexo e raça / etnia e distribuídos aleatoriamente em um grupo de alimentos complementares de carne ou laticínios.

A ingestão total de proteínas durante esta intervenção de 7 meses foi de ∼3 g ⋅ kg−1 ⋅ d−1 para ambos os grupos. Os cuidadores também completaram registros de dieta em 3 dias aos 5, 10 e 12 meses de idade. Medidas antropométricas foram obtidas durante visitas domiciliares mensais e amostras de sangue foram coletadas aos 5 e 12 meses de idade.

64 crianças completaram a intervenção (carne: n = 32; laticínios: n = 32). A ingestão total média de proteína (média ± DP) aumentou de 2,01 ± 0,06 g ⋅ kg − 1 ⋅ d − 1 aos 5 meses para 3,35 ± 0,12 g ⋅ kg − 1 ⋅ d − 1 aos 12 meses e não diferiu entre os grupos.

A análise post hoc(teste de efeitos principais) mostrou que o comprimento por idade aumentou no grupo da carne (+0,33 ± 0,09; P = 0,001 ao longo do tempo) e diminuiu no grupo lácteo (-0,30 ± 0,10; P = 0,0002 com o tempo). O crescimento em peso aumentou significativamente no grupo lácteo (0,76 ± 0,21; P = 0,000002 ao longo do tempo) em comparação com o grupo de carne (0,30 ± 0,17; P = 0,55 ao longo do tempo). O Fator de Crescimento Semelhante a Insulina (IGF-I) e a proteína ligadora do IGF (IGFBP)-3 aumentaram ao longo do tempo sem diferenças entre os grupos.

Fonte: https://bit.ly/2KeI6G4

Comentários