"A dieta do homem que bebe" foi o precursor dos anos 1960 da dieta Atkins e Paleo.


Por Laura Smith,

No início dos anos 60, uma mulher entregou a Robert Cameron um pedaço de papel. "Você está querendo perder peso. Tente isso," disse ela. Cameron decidiu experimentar a dieta dela e disse aos amigos para fazerem o mesmo. "Dentro de alguns dias, as pessoas mais próximas a nós, nossas esposas e colegas jogadores de golfe, estavam assistindo com olhos arregalados, enquanto continuávamos apertando os buracos dos nossos cintos", disse ele. "Eu nunca senti fome e nunca senti falta de um martini." Qual era o segredo dele? Carne e bebida, simples assim.

Cameron relatou suas descobertas ao mundo em seu livro autopublicado em 1962, The Drinking Man's Diet. Tornou-se rapidamente uma das dietas mais populares do país, vendendo 2,4 milhões de cópias em 13 idiomas. Cameron iniciou uma "mania de carboidratos", sugerindo que os Vigilantes do Peso contam carboidratos, não calorias. Quando Atkins lançou Diet Revolution, nove anos depois, Cameron respondeu: "Revolução? Até parece!" Ele já fazia proselitismo contra carboidratos há uma década.

A dieta do bebedor tinha apenas cerca de 50 páginas, algo que poderia ser guardado no bolso do paletó e examinado secretamente em um restaurante. "Você já ouviu falar de uma dieta que foi divertida de seguir?" Cameron escreveu. "Uma dieta que permita que você tome dois martinis antes do almoço e um bife grosso como molho Sauce Bearnaise generosamente espalhado, para que você possa fazer sua venda em um ambiente descontraído e voltar ao escritório sem se preocupar em ganhar tanto quanto 1 onça (28 gramas)?

Cameron estava oferecendo "êxtase e champanhe", enquanto outros sugeriam repolho ou substitutos de refeições para perda de peso e vinagre de maçã. É claro que os americanos escolheram o martini e o filé.

Cameron não era nutricionista nem médico. Ele era executivo de cosméticos e fotógrafo aéreo, mas, segundo seu livro, consultou um nutricionista (e um advogado) antes de publicar. Não surpreendentemente, outros nutricionistas não estavam convencidos, e alguns eram completamente hostis às suas ideias.

Cameron estava em uma turnê de livros quando recebeu uma ligação chorosa de sua mãe em Des Moines. Ela havia lido uma manchete surpreendente: "A dieta do homem que bebe é um 'assassinato em massa', diz um nutricionista de Harvard." (O nutricionista posteriormente retirou a parte do "assassinato em massa", mas permaneceu altamente cético em relação à dieta por causa de suas implicações para a saúde do coração). O Dr. Frederick J. Stare, fundador da Escola de Saúde Pública de Harvard, chamou a dieta de "ridícula".


(à esquerda) Dean Martin lê A dieta do homem que bebe em um momento oportuno. | (à direita) O autor Robert Cameron era um conhecido fotógrafo aéreo.

A década de 1960 marcou o início da obsessão dos Estados Unidos por modismos na dieta. "Encare, você precisa parar de comer", dizia uma campanha publicitária. A Weight Watchers foi fundada em 1963, e a Metrecal, um substituto de refeição que parecia Pepto Bismol, estava registrando vendas recordes, enquanto refrigerantes diet proliferavam nas prateleiras dos supermercados. Mas fazer dieta era considerado um domínio das donas de casa. Cameron estava oferecendo algo para homens.

Sobre a contagem de calorias, Cameron escreveu: "Seus dedos se contraem espasmodicamente na direção de qualquer barra de manteiga de amendoim por aí. Você bate na sua secretária, insulta seu melhor amigo ... você fica furioso com a visão dos rostos sorridentes e gordos na tela da TV, você tem sonhos agitados à noite em que está se afogando em um barril de molho Espagnole. E não há nada que você possa fazer sobre isso. Porque a bebida social na qual você confia para reduzir sua tensão é proibida." Cameron rompeu com o modelo de disciplina e privação e disse às pessoas que podiam se entregar aos seus vícios.

Um almoço típico do "homem que bebe" pode ser um martini seco ou uísque com refrigerante, dois copos de vinho, peixe ou bife ou frango assado, feijão verde ou aspargo, salada de alface e tomate com molho francês ou roquefort.

Embora os homens fossem claramente o alvo, as mulheres também aderiram. Um depoimento de uma dona-de-casa dizia: "Eu costumava ser como outras mulheres e lutar por almoços de queijo cottage e salada de frutas. Agora, peço costeletas de porco e espinafre com creme e fico muito feliz em ver os rostos dos meus amigos sabendo que estou perdendo peso e eles não estão." Logo seguiram-se outras dietas da moda indulgentes, conhecidas por nomes cada vez mais estranhos, como "A dieta dos Martinis e do Chantilly".


Em nossas escolhas alimentares, nossas fantasias e ansiedades estão à mostra. Profissionais de marketing experientes sabem que a disciplina não vende, mas um estilo de vida ostentoso. O livro de Cameron abriu uma janela para a mente masculina dos anos 60. Depois de descrever uma dieta típica de baixas calorias de hambúrgueres vegetarianos e queijo cottage, Cameron escreveu: "Você está com a mulher mais bonita do mundo jantando. Imagine sentar com ela para um jantar como esse. — Você acha que pode dispor de um quarto de xícara de suco de ruibarbo, querida? ... O romance não voa muito longe nessas asas." Em vez disso, ele estava oferecendo o seguinte: "Então, bebedores do mundo, jogue fora seu queijo cottage desengordurado e seu suco de couve; e sente-se conosco para comer um pato assado acompanhado de um Borgonha. Você não tem nada a perder além da cintura."

A dieta de Cameron pode ser vista como precursora de outras "dietas para homens", como as dietas dos homens das cavernas e paleo da atualidade. Implícita é a ideia de que os homens podem chegar à idade adulta, que aquilo que nos alimenta nos define. A descrição de Cameron é que uma dieta comendo queijo cottage e contando calorias transborda de ansiedade e leva a perda de masculinidade. Embora as dietas dos homens das cavernas de hoje sugiram que possamos ter uma masculinidade mais primitiva, Cameron conjurou uma versão mais suave, do tipo Mad Men, com um forte senso de alfaiataria em um bar pouco iluminado que estava oferecendo a você um drinque e sua dignidade. Diga o que quiser pelos custos de saúde de tomar três drinques no almoço. Cameron estava certo sobre uma coisa: a dieta do bebedor era mais divertida e positiva do que a do suco de couve.

Talvez por causa de sua dieta, ou talvez porque a genética seja imprevisível, Robert Cameron apreciou seu pato assado e seu Borgonha até a idade avançada de 98 anos.

Fonte: https://bit.ly/2ybUrt4

2 comentários:

Tecnologia do Blogger.