Efeitos de dietas ricas em proteínas vegetais e animais em biomarcadores imunoinflamatórios


Neste estudo a proteína vegetal não foi superior na redução da inflamação e a carne não causou inflamação. Na verdade, reduziu tanto quanto a proteína vegetal.

Antecedentes e objetivos

Os biomarcadores pró-inflamatórios são contribuintes bem estabelecidos para a resistência à insulina e representam alvos válidos para o gerenciamento e prevenção do diabetes. No entanto, pouco se sabe se a nutrição pode desempenhar um papel na modulação de vários aspectos das respostas imuno-inflamatórias. Nosso objetivo é avaliar o efeito de intervenções dietéticas isocalóricas de proteínas animais e vegetais em biomarcadores selecionados, representando várias vias imuno-inflamatórias.

Métodos

Foram incluídos 37 participantes com diabetes tipo 2 (idade 64 ± 6 anos, índice de massa corporal 30,2 ± 3,6 kg / m2, hemoglobina glicada 7,0 ± 0,6%) que foram submetidos a uma dieta rica em proteína animal (animal protein AP) ou uma dieta rica em proteínas vegetais (plant protein PP) (30 E% de proteína, 40 E% de carboidratos, 30 E% de gordura) por 6 semanas. Os exames clínicos foram realizados no início e no final do estudo. Níveis de adipocinas pró-inflamatórias [chemerin, progranulina], citocinas [fator de necrose tumoral α (TNF-α), interleucina 6 (IL-6), receptor ativador do plasminogênio solúvel do tipo uroquinase (suPAR), fator de crescimento transformador beta 1 (TGF -β1)] e proteínas [calprotectina, lactoferrina e fator de diferenciação de crescimento 15 (GDF-15)] foram determinadas no soro sanguíneo usando o ensaio imunoabsorvente ligado a enzima.

Resultados

As concentrações de chemerin e progranulina diminuíram após as dietas de AP e PP. O TGF-β1 aumentou na AP e diminuiu na PP, enquanto a calprotectina aumentou na PP e diminuiu na AP. Não foram observadas diferenças estatisticamente significativas nas concentrações de IL-6, TNF-α, suPAR, lactoferrina e GDF-15 em nenhum dos braços das dietas proteicas.

Conclusões

Consumir uma dieta AP ou PP resultou em concentrações reduzidas de biomarcadores secretados no tecido adiposo chemerin e progranulina em pacientes diabéticos. Os resultados para biomarcadores imunoinflamatórios mais específicos sugeriram efeitos mistos que merecem exploração adicional em pesquisas futuras. Esses achados sugerem que as dietas proteicas exercem alto potencial para modular biomarcadores inflamatórios, embora de maneira complexa.

Fonte: http://bit.ly/2VhKSCu

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.