A astaxantina inibe o estresse oxidativo e protege contra a disfunção mitocondrial

Ela é um carotenoide vermelho-alaranjado produzido principalmente por microalgas (haematococcus pluvialis) e acumulado em muitos organismos marinhos, como salmão, truta, camarão e lagosta. A estrutura molecular fornece suas características únicas, como a promoção de uma atividade antioxidante mais alta do que a de outros carotenoides.

Pesquisas anteriores sugerem que a astaxantina oferece benefícios promotores da saúde na prevenção e tratamento de várias doenças, como doenças inflamatórias crônicas, síndrome metabólica, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças neurodegenerativas e fadiga induzida por exercícios.

De acordo com uma nova revisão publicada, os pesquisadores demonstraram que a suplementação de astaxantina protege contra o estresse oxidativo e a disfunção mitocondrial (a função da mitocôndria é prejudicada em situações como condições inflamatórias, doença hepática gordurosa, aterosclerose e condições neurodegenerativas). Foi demonstrado que a suplementação de astaxantina em pacientes com diabetes tipo 2 melhora o perfil lipídico, aumenta o nível de adiponectina e diminui a pressão arterial. Além disso, a mortalidade e o dano histológico devido à lesão pulmonar aguda são melhorados pela suplementação de astaxantina, pois ajuda no estresse oxidativo e na resposta inflamatória.

A astaxantina pode efetivamente atravessar a barreira hematoencefálica e é um potente antioxidante neuroprotetor. Assim, também deve ser considerado para condições neurodegenerativas, que estão associadas ao estresse oxidativo e à disfunção mitocondrial. Pode ser um ótimo complemento ao tratamento para ajudar a reduzir complicações e mitigar efeitos adversos. Como a astaxantina é incorporada ao LDL e HDL e transportada pela circulação, sua biodisponibilidade é aumentada quando tomada com gordura dietética ou óleo de peixe.

Fonte: https://bit.ly/2xkcskM

Comentários