Homem: o caçador de gordura

Não deve ser uma surpresa que o Homo erectus, e seus sucessores tenham conduzido e de fato evoluído, para obter uma quantidade substancial da forma mais densa de energia nutricional disponível na natureza (gordura) ao ponto em que se tornou uma fonte de alimento obrigatória.

A gordura animal era uma fonte de alimento essencial necessária para atender ao gasto diário de energia desses hominins do Pleistoceno, especialmente levando em conta seus grandes cérebros que requisitavam muita energia.

Também não deve ser uma surpresa que, para um predador, o desaparecimento de um grande animal de presa pode ser uma razão significativa para a mudança evolutiva.

O elefante era um "pacote" de comida excepcionalmente grande e rico em gordura e, portanto, um alvo mais atraente durante o achatuliano paleolítico inferior levantino.

Os cálculos deste estudo mostram que o desaparecimento do elefante do Levante(grande área do Oriente Médio ao sul dos Montes Tauro, limitada a oeste pelo Mediterrâneo e a leste pelo Deserto da Arábia setentrional e pela Mesopotâmia) há mais de 400.000 anos foi significativo o suficiente para desencadear a evolução de uma espécie que era mais adepta, física e mentalmente, para obter energia densa (como gordura) de um número maior de animais menores e mais evasivos.

O surgimento concomitante de um complexo cultural novo e inovador - o Acheulo-Yabrudian, anuncia um novo conjunto de hábitos comportamentais, incluindo mudanças nas práticas de caça e compartilhamento.

Assim, os desenvolvimentos dietéticos particulares e as inovações culturais se uniram no final do período do Paleolítico Inferior no Levante, refletindo um vínculo entre a evolução biológica e cultural / comportamental humana.

Fonte: http://bit.ly/2tYbGvm

Comentários