L-carnitina e doença cardíaca

A l-carnitina facilita o transporte de ácidos graxos de cadeia longa para a matriz mitocondrial, desencadeando efeitos cardioprotetores através da redução do estresse oxidativo, inflamação e necrose de miócitos cardíacos. Além disso, a lcarnitina regula o influxo de cálcio, a integridade endotelial, a liberação de enzimas intracelulares e o conteúdo de fosfolipídios da membrana para a homeostase celular sustentada.

A depleção de carnitina, caracterizada pela expressão reduzida do gene "Transportador de Cátions Orgânicos 2", é um distúrbio metabólico e autossómico recessivo que também se associa frequentemente com doença cardiovascular (DCV). Assim, a administração exógena de carnitina através de vias dietéticas e intravenosas serve como uma estratégia protetora adequada contra disfunção ventricular, lesão de isquemia-reperfusão, arritmia cardíaca e lesão miocárdica tóxica que marcam proeminentemente a DCV.

Além disso, a carnitina reduz a hipertensão, a hiperlipidemia, a cetoacidose diabética, a hiperglicemia, o diabetes mellitus insulino-dependente, a resistência à insulina, a obesidade, etc., que aumentam a patologia cardiovascular. Estes efeitos favoráveis da l-carnitina têm sido evidentes em pacientes recém-nascidos, jovens, jovens, adultos e idosos com insuficiência cardíaca súbita e crónica.

Esta revisão descreve o mecanismo de ação, metabolismo e farmacocinética da l-carnitina. Ele enfatiza especificamente o papel benéfico da l-carnitina na cardiomiopatia.

Produtos de origem animal, como carnes, peixes e aves, são as melhores fontes. Em geral, quanto mais vermelha a carne, maior o teor de carnitina.

Fonte: http://bit.ly/2Gqoyys

Comentários